Archive for Nutrição

Três coisas a evitar para combater o colesterol ruim

Você provavelmente já leu muitos bons conselhos que há por aí. Muitas dicas aqui compartilhadas podem ser-lhe bastante úteis, se aproveitadas de forma adequada, mas talvez não sejam completas. Em outras palavras, não basta saber o que fazer, você também precisa saber o que não fazer. Em outras palavras, sabendo-se o que deve e o que não deve ser feito (e por que não deve) temos melhores chances de sucesso, superando-se assim os obstáculos.

O foco deste nosso artigo é, então, dicas para que você possa, sozinho, combater o colesterol ruim. Lembre-se que esta é uma lista de coisas a evitar, não a se fazer, quando se quer alcançar uma saúde melhor por meio de uma alimentação e estilo de vida mais saudáveis.

Agora que, espero, você já entendeu nosso objetivo, vamos ver algumas coisas que merecem um sonoro “não faça isso”:

1. Comer frituras

Pode até parecer uma boa ideia a princípio, afinal de contas, quem não gosta de comer um hambúrguer ou mesmo batas-fritas? O problema é que tais alimentos são geralmente preparados em óleo, o que faz com que tenham um maior teor de colesterol ruim.

Uma alternativa melhor seria consumir outros lanches mais saudáveis, não preparados em óleo e, se possível, caseiros, evitando-se assim os conservantes excessivos.

2. Ter uma vida sedentária

A melhor razão para isso é que quanto mais sedentária é a nossa vida, mais facilmente o colesterol ruim deposita-se sobre as paredes dos vasos sanguíneos, formando placas que poderão prejudicar a circulação sanguínea.

O melhor a ser feito, nesse caso, é praticar muitas atividades físicas, como caminhadas ou corridas, algum esporte, etc. Quanto mais ativa for sua rotina diária, melhor será para a sua circulação sanguínea.

3. Não consumir óleos vegetais

Claramente isso é ruim, pois óleos de origem vegetal são ricos em colesterol bom, que ajuda a combater o colesterol ruim. Um óleo vegetal bastante conhecido e recomendado é o azeite de oliva, que pode ser usado, por exemplo, na preparação de saladas. Aqui, o truque é inseri-los de forma moderada em sua dieta – também não é bom abusar deles! – a fim de tirar o melhor proveito possível desses óleos.

É sempre bom prevenir-se quanto aos três itens aqui apontados, tomando nossas sugestões de alternativas se você desejar, afinal de contas, não podemos alcançar o que desejamos se não formos cautelosos em nossa jornada.

Comece hoje mesmo a combater o colesterol ruim e aprenda mais em nosso blog!

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Dietas para emagrecer valem a pena?


Uma pergunta que inúmeros indivíduos efetuam no momento em que pretendem perder a massa corpórea é: E aí, dietas para emagrecer são realmente válidas? Anteriormente de mais nada, procure um profissional de nutrição, ele irá responder essa e todas as demais questões que tiver. Para você não promover regimes desatinados no entendimento de que perderá massa corpórea imediatamente.

Regimes de Pessoas Famosas

A mídia requer muito das famosas, fazendo que elas normalmente consigam uma forma bonita, magra e seja elegante . As celebridades na vontade de agradar às expectativas dos assessores e de seu auditório, acabam aceitando modos alimentares mau à seu bem estar, e de que se trata pior ainda, é a publicação desses hábitos nutritivas imperfeitos.

Aqui estão uns dos vários regimes errados expostos para o público: Uma estrela de TV necessitou amenizar três quilos para efetuar uma certa novela e publicou que consumiu apenas papinha de criança abaixo de um ano durante a semana toda e diminuiu quase três quilogramas com isso.

Os especialistas da área não aconselham tal dieta, porém os componentes nutritivos contidos na papinha valem para uma criança abaixo de um ano e não para um ser humano adulto. Logo o indivíduo adulto possuirá falta de componentes nutritivos. Esta comida foi fabricada para o nenê começar a ir se acostumando a morder para fugir da temporada de fase de lactação e acionar a alimentar-se com produtos comestíveis mais maciços. Os sujeitos adultos precisam mastigar para que tenham a impressão de saturação.

Neste instante uma outra modelo comunicou que sua dieta é de outra forma: em uns dias apenas ingeri um vitamina que apresenta pimenta vermelha, limão, água e xarope. Esta dieta faz seu condicionamento metabólico permanecer desnorteado, provocando numerosos transtornos ao seu bem estar. Vale avultar que esses regimes nutritivos conseguem ainda resultar em desarranjos alimentares semelhante bulimia ou anorexia nervosa.

Recomendações de Profissionais

Por que é tão complicado reduzir peso? De acordo com os doutores a preocupação deve ser cuidada, pois ela é uma das coisas que mais confundem o regime. Desta forma, a agonia promove com que o indivíduo coma mais no instante em que está dessa modo, desfazendo assim a dieta. Outra orientação é a força de vontade.

O indivíduo que possui coragem de desejo , enfrenta as provocações do dia-a-dia, contudo possui o seu objetivo que é reduzir a sua massa corporal e este é o passo inicial que ela precisa que acompanhe . Os nutricionistas mudam o regime alimentício do indivíduo para que principie a reduzir massa corporal, todavia ainda consuma o admissível e em variedade para encher todos os buracos de nutrientes que estão precisando.

Quão mais ágil minimiza o peso, todavia veloz retorna a sua massa corporal.

Lapsos ocasionados em dietas para diminuir peso

Por que os regimes para reduzir massa corpórea não dão perfeito? Segundo os profissionais da área de nutrição, a maioria da população completam dietas para emagrecer de modo incorreto, nesse caso findam não diminuindo o peso que necessitam. Alguns tópicos:

  • Desprezar as refeições ou alimentar-se com pouco alimento – os profissionais publicam que tal promove com que o metabolismo do organismo diminua, conservando gordura e usando a massa do músculo para ser força do organismo. A sugestão é comer a cada três horas, com comidas curto calóricos de que jeito por exemplo, frutas, queijo branco e iogurte;
  • Retirar os carboidratos da dieta alimentar – eles são os responsáveis pela combustão de lipídeos no organismo do ser vivo. A recomendação é consumir com moderação os complexos, como macarrão, arroz, mandioca e pão, priorizando a suas modelos integrais, e ainda defender-se de os carboidratos práticos por exemplo os açúcares.

É fundamental comer carboidratos, no entanto eles ainda guiam a ter mais desejo e força para promover exercícios físicos que juntos com a dieta promove a pessoa diminuir peso mais rapidamente.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Prevenção dos efeitos colaterais da quimioterapia com alimentação

Para realizar um tratamento contra um tumor maligno um dos métodos utilizado é a quimioterapia que pode estar associada ou não com a radioterapia. Entretanto, apesar de ser considerado pelos especialistas na área de oncologia como um tratamento eficaz e que realmente pode curar indivíduos portadores das mais diversas neoplasias, seu efeito colateral se configura em um incômodo que muitas vezes pode até prejudicar a evolução da terapêutica contra o câncer.

Em virtude desse fator muitas pesquisas foram realizadas por cientistas, na tentativa de encontrar alguma solução que amenizasse o problema. Os pesquisadores chegaram à conclusão que a dieta alimentar da pessoa é de vital importância para prevenir ou reduzir os efeitos colaterais da quimioterapia. Mas, como será que esse processo ocorre? É o que veremos a seguir:

Orientações nutricionais para efeitos colaterais

De acordo com profissionais especializados em nutrição para pacientes oncológicos, a alimentação consumida durante o processo de tratamento quimioterápico pode exercer um efeito significativo no organismo dos indivíduos, reduzindo ou aliviando as manifestações clinicas dos efeitos colaterais.

Foram descritos por especialistas que dentre os principais problemas causados pela terapêutica da quimioterapia estão: perda de apetite, dificuldade em engolir, boca seca, mucosite, alteração no paladar ou olfato em relação aos alimentos, náuseas, vômitos, diarreia, constipação intestinal, ganho de peso. Para cada um desses problemas existe uma dieta alimentar adequada para amenizar seus efeitos sobre o organismo humano. Veremos como deve ser a alimentação em alguns desses casos:

Para perda de apetite – Para as pessoas que apresentarem esse problema durante o tratamento quimioterápico, os especialistas orientam que alimentação deve ser fracionada e se possível feita a cada três horas. Entre uma refeição e outra procure consumir queijos, sorvetes, frutas, biscoitos ou barra de cereais. Para aqueles que não conseguem consumir alimentos sólidos o ideal é começar com alimentos líquidos como vitaminas e sopas, até que possam comer normalmente. Beber líquidos durante as refeições deve ser evitado, e a pessoa deve sempre comer uma maior quantidade de alimentos quando sentir fome.

Dificuldade em engolir – Nesse caso, os especialistas recomendam que o paciente prefira consumir alimentos líquidos ou pastosos no momento das refeições.

Boca Seca – Nesse caso, paciente deve sempre ter uma garrafa com água para hidratar seu organismo, sempre que tiver a sensação de boca seca. Outra orientação é tentar estimular a salivação consumindo picolés de fruta, balas ou mascando chicletes.

Mucosite – Quando o paciente está se submetendo a um tratamento quimioterápico, pode ocorrer um processo inflamatório nas mucosas da boca chamada mucosite, que costuma deixá-la inchada, dolorida e avermelhada. Nesse caso, a orientação nutricional é consumir alimentos de consistência macia ou pastosa, como purês, sopas cremosas, pudins, sorvetes, creme de frutas, entre outros.

Náusea – A orientação nesse caso é o paciente evitar se alimentar quando tiver a sensação de náusea, dando preferência aos alimentos como biscoitos, cereais, torradas, bolos sem recheios ou coberturas, e mascar cristais de gengibre, ou utilizar antieméticos que são medicamentos prescritos por um especialista para amenizar esse problema.

Diarreia – nesse caso o paciente deve beber bastante liquido para prevenir a desidratação, e evitar alimentos gordurosos.

Vale ressaltar que no caso de pacientes em tratamento quimioterápico, seguir as instruções de um profissional especializado em nutrição é fundamental para acelerar seu processo de cura.

Por Salete Dias

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Importância da alimentação no tratamento oncológico

Quando uma pessoa é diagnosticada com qualquer tipo de neoplasia, sabe que terá um longo caminho pela frente até alcançar a cura total. Os tratamentos até hoje prescritos no combate às células cancerosas, como a radioterapia e a quimioterapia, apesar de eficientes podem afetar as células sadias do paciente causando com isso, vários feitos colaterais desagradáveis durante a terapêutica.

No entanto é possível amenizar esses incômodos, com uma alimentação adequada a cada tipo de problema. Segundo especialistas em oncologia e nutrição, a dieta alimentar adotada pelo paciente é de extrema importância na sua recuperação antes, durante, e depois do tratamento. Veremos agora como isso é possível, e que atitudes a pessoa portadora de tumores cancerosos deve tomar para ter uma alimentação que reponha em seu organismo os nutrientes necessários para recompor sua energia, para que possa conduzir de maneira tranquila seu tratamento até receber alta.

Alimentação balanceada no tratamento oncológico

Quando o paciente esta se submetendo a um tratamento oncológico seja a radioterapia ou a quimioterapia deve ser orientado manter uma dieta balanceada, com alimentos saudáveis e altamente nutritivos, para que seu organismo possa reagir a possíveis infecções comuns nesse tipo de terapêutica e também combater a perda de peso que ocorre em algumas pessoas. O paciente que tem um comportamento alimentar adequado cm a consumo de vários nutrientes necessários para a manutenção de um organismo mais forte, como por exemplo, as vitaminas, proteínas, fibras, minerais e carboidratos estarão em melhores condições orgânicas de enfrentar tanto o tratamento radioterápico quanto o quimioterápico.

De acordo com especialistas na área de oncologia,a perda ou o ganho de peso que pode afetar alguns pacientes durante o tratamento pode se agravar se não houver uma prescrição nutricional adequada a esse problema. Cada pessoa possui uma demanda especifica de ingestão calórica e nutricional, por isso a orientação de nutricionista ou nutrólogo é de extrema importância, pois esse profissional está habilitado a prescrever uma alimentação balanceada adequada às necessidades de cada paciente.

Orientações alimentares durante o tratamento

Os especialistas na área recomendam que em especial no dia do tratamento, os pacientes se alimentem com comidas saudáveis e em um intervalo de três a quatro horas. No café da manhã é recomendado consumir torradas (para prevenir náuseas), muitas frutas, sucos naturais e iogurte. Para o almoço o ideal é se alimentar com uma refeição que inclua muitas frutas, queijo branco ou um peito de peru. Essas orientações para alimentação também são válidas para a hora do jantar.

Nos intervalos das refeições, o ideal é a pessoa fazer lanches que incluam suco da própria fruta, picolés ou sorvete de frutas, iogurte desnatado, gelatina ou milk-shakes. Algumas frutas recomendadas para os pacientes em tratamento oncológico são: melancia, abacaxi, morango, laranja, mamão, pêssego, kiwi, manga. Vale ressaltar que toda prescrição nutricional só deve ser feita por profissionais especializados na área.

Por Salete Dias

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Vitamina A

A vitamina A é um micronutriente que pertence a classe das vitaminas lipossolúveis, ela é conhecida como retinol devido à sua importância na visão humana. Ela é considerada uma das vitaminas mais importantes e pode ser encontrada em fontes animais e vegetais. Nas fontes animais ela é encontrada como retinol, já nas vegetais como carotenóides que são pigmentos amarelo ou laranja e que são precursores da vitamina A, pois se transformam em retinol dentro do organismo. A vitamina A pertence a classe das vitaminas lipossolúveis que necessitam dos lipídios para serem transportadas na corrente sanguínea. No entanto, alguns indivíduos reduzem muito ou excluem totalmente os lipídios da dieta o que pode gerar uma grave deficiência de vitamina A.

A vitamina A atua no bom funcionamento da visão, no fortalecimento do sistema imune, mantém a saúde da pele e fortalece os cabelos, atua no crescimento e desenvolvimento ósseo. Além disso, ela possui propriedades antioxidantes que combatem os radicais livres que são substâncias extremamente nociva aos seres vivos e o envelhecimento precoce. Mediante esses papéis fundamentais que essa vitamina desempenha na saúde, vale ressalatar a importância da mesma para os seres humanos.

A vitamina A nos seres humanos normais não necessita ser suplementada, pois geralmente a dieta habitual é capaz de suprir a necessidade dessa vitamina, no entanto algumas fases da vida como gestação, amamentação e infância geram uma necessidade maior dessa vitamina onde em alguns casos a suplementação é necessária. Qualquer suplementação de vitamina deve ser feita somente com autorização médica ou nutricional, pois o excesso da mesma causa problemas à saúde.

Causas e consequências da deficiência da vitamina A

As causas da deficiência de vitamina A podem ser:

Baixa ingestão de alimentos fontes dessa vitamina;
No caso de bebês, a deficiência pode ocorrer devido ao desmame precoce ou ausência da amamentação já que o leite materno é uma importante fonte dessa vitamina;
Dieta pobre em lipídios. Por ser uma vitamina que necessita de lipídios para o seu transporte, a ausência desse macronutriente prejudica a absorção da vitamina A;
Infecções com frequência. Algumas infecções fazem com que o organismo precise de uma maior quantidade de vitamina A, quando essa maior necessidade não é atendida pode ocorrer uma deficiência dessa vitamina.

Consequências da deficiência da vitamina A

  • Cegueira noturna, xeroftalmia, glândulas lacrimais ressecadas entre outros problemas relacionados a visão que são um dos primeiros sintomas relacionados a deficiência de vitamina A;
  • Dificuldades de crescimento;
  • Endurecimento das membranas mucosas do sistema geniturinário, respiratório e gastrointestinal;
  • Problemas na pele e cabelos enfraquecidos;
  • Risco de infecções constantes, devido ao enfraquecimento do sistema imunológico;
  • Defeitos na modelação óssea;
  • Principalmente em crianças, a deficiência dessa vitamina pode ocasionar a morte;
  • Sensibilidade à luz e dificuldade de enxergar à noite.

No Brasil a hipovitaminose A é uma deficiências nutricionais mais frequentes em crianças seguida da carência de ferro, este problema não se resume somente às regiões mais pobre do país como norte e nordeste, alguns estados da região Sudeste também apresentam o problema da hipovitaminose A em crianças, isso se deve principalmente à qualidade da dieta apresentada pelas crianças e a falta da amamentação.

Alimentos ricos em vitamina A

Os alimentos ricos em vitamina A podem ser dividos entre os que são de origem vegetal e os que são de origem animal:

  • Origem vegetal:
    • Mamão
    • Manga
    • Cenoura
    • Abóbora
    • Espinafre
    • Brócolis
    • Folhosos verde-escuros
    • Pêssego
    • Pimentão vermelho
  • Origem animal:
    • Fígado
    • Leite e seus derivados como queijo, manteiga e gema de ovo

Existem mais alimentos fontes de vitamina A de origem vegetal que de origem animal, no entanto o fígado é um alimento que é muito rico nessa vitamina além de ser fonte de outros minerais e vitaminas que também são importantes.

Consequências do excesso de vitamina A

Assim como todos os alimentos e nutrientes, a vitamina A deve ser ingerida de forma balanceada. Quando ela é ingerida em grandes quantidade, pode causar:

  • Dificuldades no crescimento
  • Pele ressecada, áspera e descamativa
  • Lábios fissurados
  • Aumento de órgãos como fígado e baço
  • Dores de cabeça com tonturas e náuseas
  • Sangramentos, falta de apetite, inchaços e irritabilidade
  • Queda de cabelo
  • Dor nos ossos e juntas

Pode-se observar que quando essa vitamina é ingerida em excesso pode ocorrer diversos tipos de problemas e a vitamina tem sua função no organismo comprometida. Vale ressaltar que os problemas relacionados ao excesso de vitamina A são decorrentes da suplementação, dificilmente o indivíduo apresentará esse problema por conta da dieta habitual. Por isso que é importante lembrar que a suplementação somente deve ser feita com a orientação médica ou nutricional e jamais por conta própria. As consequências decorrentes do excesso de vitamina A, são tão graves quanto a sua ausência no organismo, portanto esse quadro de hipervitaminose A deve ser evitado.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Importância dos carboidratos

Os carboidratos são os alimentos responsáveis por oferecer energia ao nosso organismo, para se ter uma ideia da importância desses alimentos, eles são a única fonte de energia utilizada pelo cérebro. Sem eles seria impossível realizarmos tarefas simples do nosso dia a dia e até mesmo os exercícios mais pesados.  Os carboidratos são os alimentos que se encontram na base da pirâmide alimentar e portanto são os que mais devem ser consumidos durante o dia. Podemos observar que habitualmente já consumidos em elevada quantidade esses alimentos, eles estão presentes no café da manhã na forma de pães, biscoitos, bolos entre outros, no almoço podemos encontrá-lo no macarrão, no arroz já no jantar a macaxeira, a batata doce que comemos são exemplos de carboidratos.

Os carboidratos que abrange diversos tipos de alimentos que nos dão energia, podem ser divididos em dois grupos que são os carboidratos simples e os complexos. Os carboidratos simples são aqueles que podem ser absorvidos rapidamente pelo organismo já que são moléculas simples e dão ao mesmo uma energia considerada imediata, pode ser encontrado nos doces, no mel, nas frutas entre outros alimentos. Já os complexos são os carboidratos que libera energia lentamente na corrente sanguínea, pode ser encontrado no arroz, pão, bolo, massas entre outros alimentos.

Importância dos carboidratos e onde encontrá-los

Os carboidratos são extremamente essenciais para a vida do indivíduo, sem eles o organismo apresenta um déficit severo de energia e não consegue desempenhar corretamente suas atividades metabólicas e cognitivas. Podemos encontrá-los em alimentos como batata, o arroz, macarrão, macaxeira, pão, frutas, granola entre outros.

Carboidratos integrais – Ainda falando sobre a importância dos carboidratos, vale ressaltar a importância dos carboidratos integrais que são fornecedores de fibras ao organismo. As fibras são extremamente importantes para o bom funcionamento do organismo, elas são capazes de melhorar o funcionamento intestinal bem como de controlar a absorção de açúcares e gordura sendo uma boa aliada no controle do colesterol alto e diabetes mellitus tipo II. Alguns carboidratos que são conhecidos e bastante consumidos por nós, apresentam uma versão integral como é o caso do pão, arroz,  macarrão,  biscoito entre outros. As versões integrais dos alimentos devem ser consumidas com mais frequência para que possamos obter os benefícios provenientes das fibras.

Risco das dietas que excluem carboidratos

Já explicamos no decorrer deste artigo o motivo pelo qual os carboidratos são extremamente importantes para nós, no entanto quando consumidos em excesso ou até mesmo aliado ao sedentarismo esses alimentos causam aumento de peso corporal. Por provocar esse efeito no organismo, é comum o aparecimento de diversos tipos de dietas que excluem os carboidratos do cardápio. No entanto, quando o indivíduo faz essa opção ele está privando o organismo de sua principal fonte energética, principalmente o cérebro já que a principal fonte de energia utilizada por ele vem dos carboidratos.

Uma dieta considerada saudável deve ser equilibrada e conter todos os tipos de alimentos e nutrientes justamente para evitar possíveis deficiências que podem acarretar sérios danos ao organismo. Um importante carboidrato que pode ser um excelente aliado na perda de peso são as fibras, isso porque além de fornecerem energia, elas contribuem para a sensação de saciedade que faz com que o indivíduo coma menos na próxima refeição. Outro ponto importante a ser destacado é que quando o indivíduo exclui os carboidratos da dieta, eles perdem peso muito rapidamente, no entanto, esse peso perdido é reposto com facilidade já que a pessoa não consegue manter esse tipo de alimentação por muito tempo.

Além disso, quando o indivíduo exclui determinado tipo de alimento, ele acaba por consumir outros em maior quantidade para tentar amenizar a fome. No caso dos carboidratos quando eles são excluídos pode ocorrer um consumo elevado de proteínas que pode levar a uma sobrecarga renal.

Importância dos carboidratos

Pode-se concluir que os carboidratos são extremamente importantes ao organismo, no entanto uma alimentação balanceada é a base para uma vida saudável. Não adianta o indivíduo apresentar um consumo satisfatório de carboidratos e em contrapartida não consumir as quantidades de proteínas, lipídios, vitaminas e minerais necessários ao organismo. Todos os nutrientes devem estar presentes no cardápio diário do indivíduo, de forma que nenhuma deficiência ou excesso venham ser encontrados.

Além de uma alimentação saudável é primordial a prática de atividades físicas não só como forma de perder peso, mas também como manutenção da saúde. É importante ressaltar a importância dos carboidratos para eles não sejam vistos como contribuidores para o excesso de peso, mas sim como alimentos fornecedores de energia essencial ao organismo.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Alimentação saudável para bebês

Os bebês são muitas das vezes esperados e amados antes mesmo de virem ao mundo. Após sua chegada, surgem uma série de preocupações com a saúde e a qualidade de vida de um ser tão frágil e ao mesmo tempo tão importante. A preocupação com a alimentação do bebê é sem dúvida comum entre os pais, isto porque sabe-se que ela é essencial para um crescimento e desenvolvimento saudável da criança. Nessa fase é muito perigoso que os bebês apresentem deficiência de algumas vitaminas e minerais que são essenciais ao seu desenvolvimento como é o caso do ferro e da vitamina A, por exemplo.

Do nascimento até o sexto mês de vida

Do nascimento até o sexto mês de vida o que deve predominar é a amamentação. A amamentação exclusiva até os seis meses completos de vida do bebê é essencial para a sua saúde. O leite materno tem sua constituição adaptada as condições fisiológicas do recém nascido que possui alguns sistemas do organismo ainda imaturos e não estão preparados para receber outros tipos de alimentos. Aliás, a inserção precoce de outros alimentos é um dos principais fatores responsáveis por causar alergias a determinados alimentos que foram oferecidos muito cedo à criança.

A amamentação exclusiva durante os seis primeiros meses auxilia a evitar diversos tipos de doenças e infecções na criança, por isso que ela é tão incentivada atualmente. Além disso, é importante frisar que a amamentação deve ser por livre demanda, isto é, o bebê deve ficar à vontade para mamar, não devem ser estipulados horário e tempo para que a criança possa mamar. Muitas mães alegam que possuem leite fraco pois a toda hora o bebê quer mamar, no entanto é normal que a todo momento o bebê sinta necessidade do leite materno pois este é o único alimento que é oferecido ao mesmo. Vale ressaltar que não existe leite fraco, o leite materno é suficiente para suprir as necessidades nutricionais do bebê sem agredir o seu organismo, no entanto é importante o acompanhamento pediátrico, que se necessário irá orientar quanto a suplementação de alguma vitamina ou mineral.

Quando não se pode oferecer leite materno ao bebê, como é o caso de mães que apresentam o vírus HIV, que fizeram cirurgias nos seios ou qualquer outra situação onde a possibilidade de amamentar seja comprometida, existem as fórmulas especiais de leite fortificado em ferro que devem ser oferecidos ao bebê. Nesse caso, a alimentação complementar tem início mais cedo baseado em um acompanhamento nutricional.

Após os seis meses de idade

O nutricionista ou pediatra que faz o acompanhamento da criança tem total liberdade para definir como e quando essa alimentação deve ser oferecida. Para a criança que esteva sendo amamentada ao seio, essa amamentação pode ser intercalada com sucos para aumentar a oferta de vitaminas e minerais, principalmente a vitamina C. O segundo passo é iniciar a introdução de papinhas doces feitas de frutas como pêra, banana, maçã; ainda pode ser acrescentado a elas biscoitos (maizena ou maria) ralados, geléia de mocotó entre outras receitas de papinhas que podem ser conseguidas com o nutricionista ou pediatra.

Após a aceitação dos sucos e das papinhas doces pelos bebês, pode ser fornecido ao mesmo o almoço. Nele, deve conter diferentes tipos de legumes como (abóbora, cenoura, batata, chuchu) além de carnes que pode ser bovina ou de frango. A presença da carne nas papinhas salgadas é essencial para a oferta de ferro, que é um mineral muito importante para a criança. A papinha deve ser amassada com um grafo ou passada pela peneira já que a criança não consegue mastigá-la.

Para aquelas crianças que não foram amamentadas ao seio, o processo de introdução de alimentos é feito mais cedo geralmente aos quatro meses, para isso um profissional de nutrição poderá orientar a melhor forma de fazê-lo.

É importante lembrar que os alimentos devem ser intercalados com a amamentação, no entanto os horários para a amamentação já podem ser estipulados pois nesse caso ela trata-se apenas de um complemento.

Alimentação saudável para os bebês

A alimentação saudável deve ser considerada desde o momento do nascimento, quando a mãe escolhe amamentar o seu bebê até os seis meses ela está contribuindo para que a alimentação dele seja saudável. A partir da introdução de novos alimentos é primordial dá preferência a frutas, verduras, legumes, sucos entre outros alimentos que contribuem para um crescimento saudável da criança. É importante lembrar que os filhos costumam copiar os hábitos dos pais, nesse caso é essencial que os pais possuam um estilo de vida saudável que sirva de exemplo para os seus filhos.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Dicas para crianças comerem melhor

Uma reclamação constante de pais em geral é que as crianças não querem comer. Muitas das vezes enquanto bebê, a criança apresentava um comportamento alimentar melhor e costumava aceitar bem os alimentos, no entanto algumas crianças mesmo que comam bem durante a primeira infância pode apresentar problemas para se alimentar durante a pré escola. Na maioria dos casos as crianças preferem as bobagens aos alimentos mais saudáveis, o que acaba por preocupar muito os pais. Para aqueles pais mais preocupados, este artigo irá tratar sobre dicas para crianças comerem melhor. São dicas simples mas que podem ser bem eficazes e amenizar o problema.

Primeiramente é importante lembrar que essa característica é comum em muitas crianças, logo que saem do primeiro ano de vida, muitas coisas novas são apresentadas à criança e até mesmo o fato de começaram a andar e a alcançar objetos sozinhas  contribuem para que a comida fique um pouco de lado. Isso não quer dizer que todas as crianças passam por isso, no entanto a maioria delas vivem uma fase em que não dão importância para os alimentos. Muitos pais usam algumas técnicas para fazer com que os filhos comam melhor, mas mesmo assim acaba as vezes por não conseguir bons resultados.

Dicas para as crianças comerem melhor

  • Horários – É muito importante que a rotina da criança seja elaborada com base nos horários da sua alimentação. O horário de acordar para realizar o café da manhã, lanches, almoço e janta deve ser estipulado e seguido pelos responsáveis pela criança. Além de fazer com que ela aprenda a se alimentar nos horários corretos, isso ajuda a evitar que a criança coma menos ou mais do que deveria. O horário estabelecido das refeições ajuda a manter o ritmo do organismo da criança.
  • A família é importante – A família tem muita influência no estilo da alimentação da criança. Desde o tipo dos alimentos escolhidos até mesmo aos horários estabelecidos para as refeições. Não adianta querer que a criança mantenha uma alimentação saudável quando os pais não fazem o mesmo, muitos hábitos da vida dos pais costumam ser copiados pelos filhos, os pais servem como um espelho e portanto devem ter consciência dessa grande  responsabilidade.
  • Recompensas – As recompensas ainda são muito comuns na alimentação infantil, é frequente a troca da alimentação por passeios, presentes, doces entre outras coisas. No entanto, especialistas alertam que essa prática não deve ser encorajada entre os pais. É importante que a criança tenha um certo entendimento sobre a importância de se alimentar sem precisar receber nada em troca.
  • Criatividade – A criatividade é fundamental na alimentação infantil, alimentos coloridos ou em formatos diferentes costumam atrair os pequenos. Uma queixa frequente entre os pais é a resistência em comer frutas e verduras, para auxiliar o consumo desses alimentos a criatividade pode ser uma excelente aliada. Outra dica que pode ser levada em consideração, é que os pratos criativos podem ser elaborados com ajuda da criança, essa atitude além de incentivar que a criança se alimente, fortalece o aprendizado e faz com que a criança se sinta útil.
  • Local – A criança deve ser incentivada a comer na mesa com os pais, o hábito de comer em frente a TV, computador ou brincando deve ser extinto. É importante que a criança sente-se a mesa para comer.
  • Lanches – Entre as principais refeições (café da manhã, almoço, jantar), deve ser oferecidos pequenos lanches. Esses lanches ajudam a criança não comer demais na próxima refeição, além de manter o metabolismo ativo. No entanto, algumas crianças não aceitam o almoço ou o jantar por conta dos lanches que fazem nos intervalos das refeições. Nesses casos a dica é reduzir o volume dos lanches para que a criança possa dá preferência às grandes refeições que são mais importantes. O valor nutricional dos lanches deve ser levado em consideração, vale lembrar que os lanches são importantes para que as metas de vitaminas e minerais necessários os bom funcionamento do organismo sejam alcançados. Dessa forma, é essencial oferecer frutas, sanduíches naturais, iogurtes entre outros alimentos que sejam fonte de vitaminas e minerais.
É importante lembrar que o nutricionista é o profissional responsável por orientar a alimentação correta para as crianças. Essas dicas para as crianças comerem melhor são generalizadas, para que o indivíduo possa conseguir uma avaliação do estado nutricional do seu filho e até mesmo uma dieta saudável para ser seguida vale a pena procurar um profissional. Ressalta-se que esse problema é muito comum em crianças, no entanto é um problema que pode e deve ser corrigido para que a criança obtenha um crescimento e vida saudável.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Combatendo gripes e resfriados por meio da alimentação

A gripe é uma doença que acomete várias pessoas em qualquer faixa etária de idade. Ela é causada por um vírus e os seus sintomas surgem de forma repentina, deixando o indivíduo com o corpo mole, indisposto até que a manifestação completa da doença que vai variar de acordo com o grau de imunidade do indivíduo. A alimentação no combate a gripes e resfriados auxilia o organismo a manter-se distante dessa doença, pois no caso de gripes que são doenças transmitidas por vírus existem alimentos com propriedades antivirais e fortalecedores do sistema imunológico que atuam no combate as manifestações provocadas pela doença.

Sintomas da gripe e resfriados

  • Febre
  • Mal estar
  • Coriza
  • Dor de cabeça
  • Indisposição

Vale lembrar que esses sintomas podem vir acompanhados ou não de outros.

Alimentação no combate a gripes e resfriados

Vitamina C – É de conhecimento geral que a vitamina C auxilia no combate a gripes e resfriados. É importante lembrar que essa vitamina atua diretamente no fortalecimento do sistema imunológico, além de combater os radicais livres que são considerados antioxidantes que podem ocasionar câncer e envelhecimento precoce. Entre os alimentos que são fontes de vitamina C podemos destacar: goiaba, laranja kiwi, mamão, morango entre outros.

Abacaxi – O abacaxi é ideal para os casos daquelas gripes que vem acompanhadas de secreção e coriza, pois o xarope feito com o abacaxi favorece a eliminação das secreções.

Zinco e selênio – Estes minerais também são essenciais no controle do organismo contra diversos tipos de doenças. Muitas das vezes encontramos até mesmo o zinco associado a vitamina C para que o seu efeito seja ainda mais aumentado e favoreça o fortalecimento do sistema imunológico. Já o selênio que pode ser encontrado em algumas frutas oleaginosas também confere fortalecimento a imunidade do indivíduo.

Vegetais com folhas verde-escuras – Existe disponível no mercado uma gama de alimentos que pertencem ao grupo dos vegetais folhosos escuros, esses alimentos são verdadeiros aliados no fortalecimento do sistema imune além de serem fonte de ácido fólico.

Vitamina A – Muita das vezes quando nos referimos a gripes, lembramos somente de consumir alimentos que sejam fonte de vitamina C, no entanto a vitamina A é fundamental para que o indivíduo obtenha um organismo resistente contra doenças.  Ela pode ser encontrada na abóbora, no mamão, na cenoura, no pêssego entre outros alimentos. Observa-se uma queda no consumo dessa vitamina principalmente no primeiro ano de vida de crianças, é importante salientar aos pais a importância do consumo de alimentos que sejam fontes de vitamina A e em alguns casos alertá-los também quanto a importância da suplementação acompanhada por um profissional de saúde.

Alho e cebola – Como já foi dito existem alguns alimentos que apresentam propriedades antivirais e já que a gripe é causada por vírus, é importante que esses alimentos sejam consumidos para promover o seu combate. O alho e a cebola são exemplos de alimentos com propriedades antivirais, muita das vezes esses alimentos são negligenciados e o indivíduo acaba optando por não consumí-los, no entanto vale ressaltar a importância dos mesmos na prevenção de doenças que são causadas por vírus. Vale lembrar que deve-se evitar a ingestão de alho com o estômago vazio. Muitas pessoas, principalmente as mais antigas, utilizam chás preparados com estes alimentos que são extremamente eficazes no combate a gripes e resfriados.

Gengibre – O gengibre é um alimento com diversas propriedades benéficas ao organismo. Ele possui em sua constituição substâncias que são responsáveis por combater bactérias, além de melhorar alguns sistemas do organismo como o respiratório e digestório. Sabe-se que durante uma gripe é importante que o sistema respiratório funcione de forma correta. Além de todos os benefícios desse alimento, ele é um bom aliado nos problemas de garganta , além de rouquidão, gripes e resfriados. As formas de consumir o gengibre, inclui mastigar os seus pedaços, ingerir os chás, balas entre outras.

É bom lembrar que todos os tipos de doenças devem ser tratadas por um profissional da área médica, os alimentos atuam como coadjuvantes nesse tratamento, no entanto uma avaliação médica sempre é bem vinda. Outro ponto importante a ser destacado é que a alimentação saudável e bem equilibrada é eficaz na prevenção de diversos tipos de doenças além das gripes. Quando nos alimentamos corretamente estamos contribuindo para que o nosso organismo permaneça com o sistema imunológico fortalecido e dessa forma  consequentemente conseguimos evitar diversas patologias.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Quero emagrecer, o que faço?

Quantas pessoas você conhece que já manifestaram o desejo de perder alguns quilos e ainda não conseguiram? Muitas, não? Apesar da boa vontade – muitas vezes até com algumas ações positivas, como praticar exercícios e seguir uma dieta – , muitas vezes tal desejo não se concretiza por um problema muito simples: dar uma ênfase muito grande a uma determinada dieta para emagrecer, como se a mesma fosse o instrumento principal na perda de peso. Bem, pronto para encontrar as respostas para a sua pergunta: “quero emagrecer, o que faço“?

Seguir uma dieta é importante, desde que feito de forma adequada e compreendidos dois outros pontos importantes: a necessidade de abandonar uma vida sedentária e a importância da reeducação alimentar. Sem esses dois passos, seguir uma dieta com o objetivo de perder peso provavelmente não surtirá o efeito esperado, se houver algum.

Falemos então sobre exercícios físicos primeiros. Com a prática de exercícios, queimamos muito mais calorias, bem como levamos nosso organismo a queimar as reservas de gordura presentes em nosso corpo. Além disso, ao exercitar-se, melhoramos nossa circulação sanguínea, reduzindo assim os riscos de doenças cardiovasculares – tão comuns nos dias de hoje. Sendo assim, não importa se você praticará algum esporte, frequentará uma academia de ginástica ou realizará caminhadas em um parque próximo de casa: o importante é ter uma vida mais ativa.

Como segundo ponto, destacamos a importância da reeducação alimentar. Muitas pessoas cometem o erro de buscar perder peso sem mudar gradualmente seus hábitos alimentares. Consomem refrigerantes, hambúrgueres, salgados e doces em geral em um nível fora do saudável – muitas vezes substituindo refeições importantes como o café da manhã ou almoço por alimentos não tão saudáveis, como os destacados. Se você não mudar seus hábitos alimentares, é visível que, uma vez interrompida a sua dieta alimentar, você voltará a engordar tudo outra vez, afinal de contas, a razão para o aumento do peso (que pode ser de origem alimentar) não foi realmente corrigida.

Chegamos finalmente na dieta para emagrecer, comentada no início deste artigo. Como foi dito, um grande erro cometido por muitos é considerar esta como sendo a única coisa importante quando planejando perder peso, quando na verdade trata-se de mais uma ferramenta para auxiliar no processo. Quando escolhendo uma dieta, procure por aquelas que sejam fáceis de seguir e que o conduzam a bons hábitos alimentares. Dietas restritivas que exigem a exclusão de certos nutrientes não são interessantes, pois não desenvolvem hábitos alimentares realmente saudáveis. Procure, assim, uma que o conduza à verdadeira reeducação alimentar.

E acima de tudo, não se esqueça que um nutricionista é o profissional indicado para acompanhá-lo em seu processo de perda de peso. Só ele poderá ajudá-lo a determinar qual a melhor combinação desses elementos para a sua situação, bem como acompanhar o seu progresso periodicamente. Lembre-se disso!

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS