Archive for Especialidades

Psicologia clínica

A psicologia enquanto ciência pode ser dividida em várias partes. Partindo deste pressuposto, a psicologia clínica é a parte desta ciência que estuda exclusivamente os transtornos psíquicos dos seres humanos que podem envolver as doenças mentais ou não.

Principais temas abordados na psicologia clínica

Para uma compreensão mais clara do que trata esta vertente da psicologia, os especialistas, dividiram os temas da psicologa clinica do seguinte modo: classificação, etiologia, diagnóstico,epidemiologia e a intervenção propriamente dita que abrange desde a prevenção até a reabilitação do paciente. No fim do século XIX o termo  psicologia clínica foi utilizado pela primeira vez.

Nesse período foi fundado também uma clínica psicológica cujo alvo de tratamento eram as crianças com problemas de aprendizagem. Com o passar do tempo, impulsivou  a psicologia clinica, através da transferência do método cientifico para as abordagens psiquiátricas que eram tratadas naquele momento.

Freud  também foi muito importante para a psicologia clinica, pois foi através dos seus estudos científicos que novas teorias foram produzidas para explicar como os transtornos mentais aconteciam dissociando o tratamento destas desordens dos especialistas em medicina. Através de sua psicologia interpretativa, Freud  representou uma das grandes correntes que até os tempos atuais é utilizada na psicologia clínica.

Principais áreas de atuação da psicologia clínica

A psicologia clínica , enquanto parte da psicologia enquanto ciência, possui uma ampla área de atuação que pode ser classificada da seguinte maneira:

O  psicodiagnóstico – Que é utilizado na psicologia clinica através de suas técnicas para a obtenção de informações importantes da mente do paciente;

O transtorno mental – Neste caso, os especialistas tem uma definição dos transtornos que afetam a mente humana, como  eles se classificam, quais as suas etiologias, e quais os possíveis fatores desencadeantes do problema;

O psicodiagnóstico – Para que os profissionais consigam informações realmente importantes para a condução do tratamento, há uma introdução de algumas técnicas para conseguir este objetivo;

E finalmente a intervenção psicológica propriamente dita, quando há uma visão das diversas maneiras de intervenções disponíveis ao psicólogo clínico para tratar aquele paciente, sendo que a mais importante é sem dúvida alguma a psicoterapia. Além destas, existe  a mais importante de todas que é a ética profissional que oferece aos psicólogos clínicos uma visão ampla das questões éticas que envolvem seu trabalho junto ao paciente.

Considerações finais

A psicologia clínica é na verdade uma intervenção realizada pelo profissional especializado na área, no caso o psicólogo clínico, que engloba além do estudo científico, o tratamento  das complicação pertinentes à área de saúde mental, como por exemplo a terapêutica utilizada para tratar a ansiedade, os estados depressivos, as fobias, a dependência de álcool ou drogas, os comportamentos compulsivos ou possessivos, as alterações da personalidade, entre outros.

Além disto, a psicologia clínica também trata  de transtornos emocionais sem a presença da doença mental, auxiliando  a pessoa a conseguir através de técnicas apropriadas chegar a alguma concepção na resolução de algum problema. É por isso mesmo, que diz-se que  a psicologia clínica possui uma vasta área de atuação.

Por Salete Dias

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Psicopedagogia


Ainda confundida por muitas pessoas como psicologia escolar ou da aprendizagem, a psicopedagogia pode ser definida como uma área do conhecimento humano que tenta fazer uma integração dos vários pressupostos e princípios oriundos das ciências humanas, com a finalidade maior de obter com este procedimento uma compreensão mais abrangente sobre a complexidade da aprendizagem que ocorre com os seres humanos.

Relação entre psicopedagogia e psicologia

A função da psicopedagogia nas várias áreas como educacional, institucional, saúde, entre outras ainda é motivo de questionamento por parte de alguns acadêmicos. Por isso para que o real valor da psicopedagogia seja relevado, é necessário saber que a psicopedagogia é muito mais do que a união de duas importantes ciências: a pedagogia e a psicologia.

Na verdade a psicopedagogia é bem mais abrangente pois se trata de uma área com abrangência multidisciplinar cujo principal objetivo é descobrir como se dá o processo de aprendizagem nos seres humanos e quais os fatores que podem contribuir para impedir ou dificultar esta aquisição de conhecimento. Para conseguir este procedimento com êxito a psicopedagogia utiliza-se de várias outras ciências  como por exemplo, a filosofia,  a psicologia,  a psicanálise, a neurologia, a pedagogia, entre outras.

Formação do psicopedagogo

O profissional habilitado a exercer o trabalho na psicopedagogia  é o psicopedagogo e sua formação acadêmica deverá ser compatível com os vários campos de atuação onde o especialista pode trabalhar. Tomando-se como princípio básico que a psicopedagogia tenta compreender os vários processos inerentes ao aprendizado nos seres humanos e tenta recorrer sempre que possível a algum tipo de recurso todas as vezes que esta aquisição cognitiva estiver ameaçada ou impedida de ocorrer, então o papel desempenhado pelo especialista em psicopedagogia, o psicopedagogo deve ser de mediar todos estes aspectos que acontecem no processo da aprendizagem humana.

Para isso deve ter uma sólida formação de todas as ciências humanas para que possa transitar em diversos campos de atuação sempre com muito êxito profissional. Indo muito mais além da combinação da psicologia com a pedagogia, o psicopedagogo poderá enfrentar diversos campos de trabalho que podem transitar desde a área de saúde até ao sistema de edução propriamente dito, uma vez que sua principal função é compreender as várias facetas da aprendizagem humana, que é um processo dinâmico que está sempre acontecendo.

Considerações finais

A psicopedagogia é uma ciência de extrema importância no processo de aquisição de conhecimento dos seres humanos. Trata-se de uma disciplina de caráter abrangente e que interage com outras disciplinas, e tenta através dos recursos profissionais do psicopedagogo, que é o profissional especialista em psicopedagogia, entender como o processo de aprendizagem se dá nos indivíduos.

Este profissional deve ter  uma formação acadêmica sólida na área de ciências humanas, para saber lidar com as várias facetas que envolvem um processo tão dinâmico quanto é  a aprendizagem no cérebro humano.

Salete Dias

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Psicologia

A psicologia pode ser definida com uma ciência relativamente recente, que analisa como os processos mentais nos seres humanos ocorrem, ou seja, como se processa os pensamentos na mente dos indivíduos e como eles agem de acordo com as ideias que constroem  a respeito de si mesmo e do mundo em que vivem.

Uma das características da ciência é explicar, analisar  e prever o controle do seu objeto de estudo. No caso da psicologia ela apenas infere os processo mentais, uma vez que eles não podem ser mensurados ou observados empiricamente, no entanto podem ser observados, analisados e controlados através do comportamento dos indivíduos.

Surgimento da psicologia e aspectos teóricos

A psicologia pode ser considerada como uma ciência relativamente recente. Somente no ano de 1908, um dos primeiros  psicólogos experimentais Ebbinghaus desenvolveu algum tipo de trabalho na área. Porém foi no ano de 1879 que o primeiro laboratório para estudar temas da psicologia foi fundado na Alemanha, por Wundt que era um fisiólogo cujo interesse se concentrava nos processos mentais e de percepção e sua relação com o funcionamento do organismo humano.

A importância de Wundt está no fato de que a partir de seu laboratório é que surgiram os primeiros psicólogos propagando a nova ciência em outros países. O método inicialmente usado por Wundt e propagado por Titchener em suas pesquisas que estudavam somente os estímulos mais simples e anida assim sob condições que estavam controladas, foi chamado de estruturalismo.

O principal objetivo deste estudo era provar o funcionamento da psique humana. Outra teoria de relevância nesta época foio funcionalismo do teórico William James que afirmava que os estudos da mente humana não deveriam se restringir somente a descrição de processos simples e controlados. Para James a mente dos seres humanos é um fluxo contante que está em interação constante com o meio a sua volta, desse modo ele priorizava em seus estudos qual a função dos estados mentais conscientes nas pessoas.

Reagindo a todas estes pressupostos teóricos surge a Gestalt, também conhecida como psicologia da forma, que através de seus teóricos Kofka, Kohler e Wertheimer preconizaram que os aspectos da psique humana e seus respectivos fenômenos só poderiam ser entendidos em uma percepção global e não somente  pelos estudos de aspectos isolados da mente humana.

A psicologia atual

A psicologia no início teve alguns impedimentos para que fosse reconhecida como uma ciência. Em primeiro lugar porque suas teorias e pressupostos eram construídos através de relatórios e questionários obtidos através de pessoas que participavam dos experimentos. Em segundo lugar os processos mentais só podem ser aferidos e nunca mensurados, apesar da tentativa dos primeiros laboratórios de psicologia e não há como comprová-los empiricamente, como é característico das ciências ditas exatas.

No entanto, com o passar dos anos, a psicologia surgiu como uma ciência de extrema importância que serve de suporte também para algumas outras, e atualmente é elevada a categoria de uma das ciências mais importantes da atualidade. Com o tempo foi se dividindo em especializações e atualmente o profissional especialista em psicologia pode atuar em diversas áreas necessárias à compreensão do comportamento humano.

Por Salete Dias

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Psiquiatria

Especialidade da medicina que trata das desordens psíquicas severas nos seres humanos, a psiquiatria é uma ciência antiga, tendo sua origem no século V.AC em plena idade média, onde foram criados os primeiros locais para tratamento das pessoas portadoras de transtornos mentais. No entanto, os métodos utilizados para este fim eram bastante questionáveis do ponto de vista de sua efetividade e de sua utilização pouco humanitária nos pacientes.

A partir do século XVII é que houve uma melhora no tratamento dos pacientes ainda que de maneira ainda rudimentar. Foi somente no século XX que os estudiosos e técnicos da área procuraram entender os processo biológicos e suas relações com as doenças da mente humana. Nessa época houve o começo da classificação dos distúrbios mentais  e os medicamentos para tratá-los.

Definição de doenças mentais e psiquiatria

A psiquiatria tem como principal função a prevenção, diagnóstico e tratamento das desordens mentais, sendo que  dentre elas estão: a esquizofrenia, depressão, transtorno bipolar, psicoses, transtornos de ansiedade como síndrome do pânico, entre outras. A doença mental pode ser definida como a descrição por ela realizada dos transtornos da psique humana através de seus sintomas específicos, e que refletem de maneira negativa na vida do indivíduo levando-o à necessidade de se submeter a um tratamento que poder ser longo ou mais breve, dependendo do grau de complicação mental em que o paciente se encontra.

Atuação dos especialistas em psiquiatria

Os profissionais especializados em psiquiatria são  denominados psiquiatras, porém antigamente ( em meados do século XX eram denominados de alienistas) e apresentam como principal objetivo tratar os sintomas do transtorno mental através de fármacos e da psicoterapia. Geralmente o psiquiatra faz uma avaliação do estado mental do paciente e pode solicitar exames neurológicos ou laboratoriais para descartar enfermidades de origem somente orgânica, realizando dessa maneira um diagnóstico preciso de qual  doença mental está afetando o indivíduo.

As medicações administradas aos pacientes são de extrema importância para redução dos sintomas característicos de determinado distúrbio mental, fazendo com que a pessoa consiga levar uma vida bem próxima da normalidade. Em conjunto com os medicamentos, a psicoterapia, que também pode ser realizada por psicólogos deve ser conduzida concomitante com o uso dos remédios.

Evolução do tratamento em psiquiatria

Demorou algum tempo até que  a psiquiatria adquirisse o status de uma especialidade, cujo tratamento fosse eficaz e principalmente humanitário. Segundo historiadores a terapêutica psiquiátrica evoluiu muito nos últimos tempos. Antigamente  alguns tratamentos como eletrochoques e outros deixavam sequelas nos pacientes, às vezes irreversíveis.

Os doentes ficavam internados, em sua grande maioria por toda vida nos chamados asilos. Hoje em dia, os portadores de transtornos mentais são atendidos a nível ambulatorial e quando precisavam ser internados após o tratamento ministrado, recebem  alta e podem retornar, se tiverem condições mentais favoráveis, para suas residências ou atividades profissionais.

Por Salete Dias

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Psicoterapia

Até os dias atuais, as pessoas ainda se confundem sobre o que é psicoterapia e que tipo de trabalho um psicoterapeuta desenvolve. Apesar de ser muito falado e pouco entendido, o termo psicoterapia é definido como um processo terapêutico que pode ser realizado tanto por psicólogos quanto por psiquiatras e que visa ao tratamento das desordens mentais que afetam os seres humanos, objetivando uma melhoria na qualidade de vida.

Principais características da psicoterapia

Segundo profissionais da área de saúde mental, através de seus métodos e técnicas,  a psicoterapia é um dos principais  processos terapêuticos para tratar os transtornos mentais. Dentre os objetivos relevantes da psicoterapia podem ser destacados:

  • Contribuir para o desenvolvimento dos sistemas mentais e do funcionamento psíquico dos pacientes promovendo uma melhora considerável em suas relações interpessoais abrangendo os setores profissionais, emocionais e sociais;
  • É realizada  por profissionais da área de psicologia ou psiquiatria que através de técnicas específicas conseguem atuar sobre o estado emocional do indivíduo;
  • A psicoterapia com seu conjunto de procedimentos terapêuticos pode ser empregada em vários contextos, como por exemplo a terapia com casais, em grupo, individual ou familiar de acordo com a demanda e necessidade do momento;
  • A psicoterapia utiliza como base os pressupostos da psicologia enquanto ciência: O tratamento é realizada através de consultas de mais ou menos cinquenta minutos em um ambiente adequado para tal procedimento.

Etapas do processo terapêutico

Segundo teóricos, a psicoterapia pode ser dividida em quatro fases que estão interligadas entre si, mas que serão demonstradas aqui em separado apenas para uma melhor compreensão de cada uma:

Na primeira fase há a definição do diagnóstico, onde o psicoterapeuta deve decidir qual a melhor terapêutica que usará naquele caso específico;

Na segunda fase deve haver uma estruturação da linha teórica que o psicoterapeuta decidiu seguir para tratar seu paciente, além de haver a promoção de uma empatia entre os dois;

Na terceira, há a utilização da psicoterapia propriamente dita, com as diversas técnicas existentes baseadas nos pressupostos teóricos que as sustentam;

E finalmente na quarta fase há uma avaliação de todo processo terapêutico, onde a psicoterapia poderá ser encerrada ou não, dependendo da condição mental do paciente.

Psicoterapia e suas perspectivas teóricas

Segundo estudiosos na área de saúde mental, a psicoterapia pode ser classificada, para um melhor entendimento, de acordo com suas perspectivas teóricas em:

Cognitivo-Comportamentais: Nesse tipo de psicoterapia os transtornos mentais são explicados pelas interações do paciente com o meio em que vive e com a aprendizagem que teve durante sua vida. O objetivo principal é proporcionar ao individuo o controle das situações, percepções e emoções de sua vida.

Psicodinâmicas: A explicação para os conflitos existentes na vida atual do individuo teriam origem em conflitos existentes na infância. O método interpretativo é utilizado para fazer com que o paciente entenda melhor seus sonhos ou atos falhos.

Existencial-Humanistas: Esta perspectiva se concentra na experiencia atual do individuo, e pressupõe que os conflitos surgem em decorrência de uma inadaptação entre as várias experiências vivenciadas pela pessoa e a imagem que tem de si própria.

Psicoterapia da Comunicação: Nesta psicoterapia há a busca de uma estrutura de comunicação que atenda às necessidades do individuo de se comunicar de uma maneira efetiva, conseguindo resolver seus atuais conflitos emocionais.

Por Salete Dias

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Psicologia Infantil

Psicologia Infantil

Muitas pessoas quando veem uma criança, que pode ser seu filho ou não, nunca imaginam que ela talvez possa sofrer de algum problema emocional. A imagem dos pequenos ao longo do tempo, foi construída no ideário de todos como um ser sempre alegre e isento de qualquer tipo de complicação.

Mas será que esta suposição realmente procede? Será que a criança nunca apresenta problema emocional? A resposta é não, ou seja, é claro que também ela pode apresentar transtornos emocionais. Para tratar os conflitos e  distúrbios é que surgiu uma ciência que lida somente com as questões infantis: a Psicologia Infantil.

Tipo de Profissional Qualificado para Psicologia Infantil

O especialista que vai trabalhar com a psicologa infantil é com certeza o psicólogo infantil. ou seja, aquele profissional que através de seus estudos complementares dentro da ciência da psicologia, optou por se especializar nos conflitos mentais que podem afetar as crianças.

Uma das principais duvidas dos pais é qual o momento exato para que seu filho seja levado  a um psicólogo infantil, ou seja, que tipos de sintomas ele deve estar apresentando que possam ser classificados como distúrbios emocionais, ou somente, tristeza por não conseguir algo que deseja ou então demonstração de agressividade pelo mesmo motivo.

Para saber se é o momento adequado para consultar um psicologo infantil basta observar a criança na idade escolar e, se algum professor comentar sobre uma possível alteração de atitude, como por exemplo; comportamento agressivo desmotivado, baixa concentração dificultando o rendimento escolar, quadro de hiperatividade,episódios de isolamento do resto da turma, alto grau de ansiedade,entre outros, é o momento de levá-la ao especialista.

Atuação do Psicólogo Infantil

A principal função da psicologia infantil é entender quais os processos mentais que levam uma criança a desenvolver certo tipo de conflito mental. Quando por algum motivo um problema psicológico é identificado, a primeira atitude que os pais devem tonar é levar a criança para um profissional especializado, neste caso o psicólogo infantil para que se inicie o processo de psicoterapia.

Na psicologia infantil, o especialista trata a criança através de uma técnica chamada ludoterapia, que consiste em através de recursos lúdicos fazer com que o jovem participe de alguma brincadeira, onde o profissional possa avaliar claramente se há indicio de depressão ou angustias,estresse, ou algum distúrbio mental mais grave.
Antes de iniciar o tratamento com a criança, o psicólogo infantil realiza reuniões com os pais dela para que possa obter alguns dados da história da criança dentro deste contexto familiar.

Sintomas Tratados pelo Psicologo Infantil

Para esclarecer aos pais sobre qual o momento que o filho deve ser levado a um psicologo infantil alguns comportamentos devem ser observados como: Distúrbios alimentares, dificuldade no processo de aprendizagem, enurese noturna, hiperatividade, atraso no desenvolvimento cognitivo ou motor,entre outros.

Vale ressaltar que a psicologia infantil trouxe muitos beneficios para o profissional que estuda esta ciência pudesse com suas técnicas, auxiliar às crianças a resolverem seus conflitos e se tornarem  adultos com maior qualidade de vida.

Salete Dias

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Acupuntura

Ainda hoje, em pleno século XXI, muitos cientistas intrigam-se com a sabedoria popular chinesa, cultivada há milhares de anos. Um exemplo disso é a acupuntura, técnica milenar empregada no tratamento de dores e alívio de tensões que, hoje, compõe aquilo que chamamos de medicina alternativa.

Mas afinal o que é a acupuntura, como ela começou e quais as suas aplicações medicinais mais conhecidas?

A origem da acupuntura

Não há uma data exata, mas se sabe que a acupuntura nasceu na antiga civilização chinesa e que foi perpetuada graças à linguagem escrita. Já no século XVII um jesuíta europeu, após passar algum tempo na China, retornou levando consigo os conhecimentos daquela técnica milenar, quando então recebeu o nome de acupuntura, dos termos latinos “acum” (agulha) e “punctum” (picada ou punção). Daí iniciou-se sua popularização em todo o Ocidente europeu – e mais tarde também aqui, nas Américas.

A acupuntura trata-se de um método de estimulação neurológica em receptores específicos do nosso corpo por meio da aplicação de agulhas. A ação das agulhas sobre esses pontos (conhecidos como pontos de acupuntura ou acupontos) ativam o interneurônio inibitório, podendo assim inibir certas sensações, como dor, desconforto, depressão e ansiedade.

Acupuntura

Aplicações medicinais da acupuntura

A acupuntura, que na China é considerada como sendo parte da medicina tradicional, não foi tão bem recebida pela sociedade médica de outros países por não haverem profundos estudos científicos que comprovem sua eficácia. Desta forma, a Organização Mundial da Saúde classifica a acupuntura como sendo um tipo de tratamento complementar, compondo assim o grupo que hoje é conhecido como medicina alternativa.

No entanto, o volume de pesquisas científicas em torno do assunto cresce cada vez mais e sua eficácia vem sendo comprovada ao menos empiricamente.

Como fora mencionado anteriormente, a acupuntura poda ajudar a inibir certas sensações desconfortáveis, como:

  • Dor – por ser hábil a inibir a dor, pode-se tratar a artrite com a acupuntura;
  • Depressão – o uso da acupuntura no tratamento da depressão é hoje bastante conhecido, principalmente na China;
  • Ansiedade – de forma análoga, podem-se tratar transtornos de ansiedade bem como ataques de pânico;
  • Problemas gástricos – também no tratamento de gastrites, úlceras e na doença de refluxo gastroesofágico tem se observado sucesso.

Enfim, pouco ainda se conhece sobre a acupuntura, diante do número de benefícios que a mesma pode nos trazer.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS