Archive for Obesidade

Sintomas da obesidade

A obesidade é um problema que atinge grande parte da população mundial e causa não somente complicações no organismo do indivíduo, como também problemas emocionais em virtude do preconceito que as pessoas obesas costumam sofrer. Mas como será que alguém sabe se está somente acima do peso corporal ou se está obesa? Quais serão os sintomas da obesidade? É o que veremos a seguir:

Preocupação da OMS com o problema da obesidade

De acordo com a OMS (Organização Mundial de Saúde)o número de pessoas obesas cresceu muito ao longo dos anos principalmente em crianças e adolescentes, fato que a organização considera alarmante em virtude dos inúmeros problemas de saúde que um indivíduo com problema de obesidade pode apresentar e os gastos que serão necessários para tratar essas enfermidades.

Segundo a OMS uma das principais causas para esse aumento de indivíduos obesos seria o sedentarismo que grande parte das pessoas vivem em decorrência da altas tecnologias, que coloca tudo ao alcance das mãos fazendo com que os jovens façam pouco esforço físico para conseguir o que desejam. Aliado a esse problema estaria o da alimentação inadequada. Indivíduos nessa faixa etária costumam se alimentar com os alimentos de lanchonetes ao invés de priorizar uma alimentação balanceada e rica em nutrientes.

A obesidade pode ser  definida como um grande acúmulo de tecido gorduroso no corpo do individuo o que resulta em vários tipos de doenças, principalmente as que estão associadas aos sistemas cardíacos e vasculares. A obesidade pode ser desenvolvida a partir de fatores ambientais ou comportamentais, genéticos ou hormonais ou ainda a combinação de alguns deles. No entanto os especialistas na área de saúde informam que independente de fator etiológico, o problema  da obesidade está diretamente ligado ao aumento do consumo alimentar com pouca gasto energético, ou seja a pessoa come em exagero e não mantém o hábito de praticar atividades físicas com regularidade, preferindo o sedentarismo.

Principais sintomas da obesidade

Segundo especialistas a pessoa que apresenta o problema da obesidade tem limitações motoras, além de riscos de complicações cardíacas e vasculares e outras enfermidades, e infecções na pele em virtude das dobras na epiderme devido ao grande acúmulo do tecido adiposo. Pela sobrecarga que a coluna vertebral dessas pessoas apresenta  podem ocorrer problemas ósseos e nas articulações dos tornozelos, joelhos ou do quadril e cintura. Esses sintomas físicos costumam estar associados a problemas emocionais como por exemplo, ansiedade e compulsão ou ainda desenvolvimento de uma baixa autoestima.

De acordo com a recomendação da OMS (Organização Mundial de Saúde) uma das principais medidas que servem para diagnosticar a obesidade  é a avaliação do IMC (Índice de Massa Corporal) da pessoa  que é calculado usando-se a seguinte fórmula: Peso do indivíduo dividido pela sua altura elevada ao quadrado, encontrando-se desse modo o resultado. De acordo com os padrões de mensuração um IMC a partir de 30kg/m2 já denota um grau de obesidade do tipo I. Já um IMC maior que 40kg/m2 já caracteriza a obesidade mórbida que apresenta um risco extremo ao indivíduo podendo inclusive levá-lo a óbito.

Vários estudos científicos foram conduzidos para que fosse encontrado o fator etiológico para o desenvolvimento dessa enfermidade. No entanto, os pesquisadores até  o presente momento chegaram  a conclusão que a obesidade pode ser  na realidade resultante de vários fatores isolados ou associados entre si. Dentre as principais causas da obesidade descritas por alguns especialistas estão:

  • Nutrição inadequada com grande consumo de alimentos gordurosos ou doces;
  • Falta de atividades físicas levando a pessoa ao sedentarismo;
  • Alterações endócrinas com o aparecimento de algumas síndrome, como o hipotireoidismo;
  • Deficiência no hormônio do crescimento;
  • Alguns tipos de  fármacos como por exemplo corticoides, lítio e antidepressivos tricíclicos;
  • Cirurgias na região do hipotálamo e obesidade de origem genética como a autossômica recessiva ou a ligada ao cromossomo X.

Considerações finais

Os sintomas da obesidade são bem evidentes e se caracterizam por um excesso de peso corporal associado a diversos tipos de enfermidades que podem comprometer a saúde física do individuo obeso. Além das complicações orgânicas que a pessoa obesa sofre, há ainda os problemas emocionais por que passam ,como por exemplo, o desenvolvimento de uma baixa autoestima.

A obesidade muito mais do que um problema de estética é considerada uma enfermidade e como tal deve ser tratada de forma adequada, para que seus portadores possam ter uma boa qualidade de vida.

Por Salete Dias

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Principais Complicações de Saúde Associadas à Obesidade


Complicações Hepáticas

Todas as pessoas já sabem que a obesidade traz muitas complicações para a saúde de todos, e por isso os profissionais da área de saúde estão sempre orientam aos indivíduos que percam peso para obterem uma melhor qualidade de vida. Porém  a obesidade pode trazer vários riscos de doenças, e entre elas está a esteatose que pode ser definida como uma quantidade de gordura armazenada de maneira anormal no fígado do indivíduo e esse problema pode evoluir para uma cirrose ou lesões no orgão com o aparecimento de fibroses hepáticas. Os médicos explicam que há um aumento dos ácidos graxos no organismo da pessoa resultando em processo inflamatórios que podem ocasionar a fibrose.

Segundo especialistas quando há cerca de dez por cento de acúmulo de gordura no fígado já demonstra que a enfermidade já se instalou no organismo. O risco maior que as pessoas com esteatose sofrem é o surgimento da chamada síndrome metabólica que é uma série de anormalidades nas funções os órgãos do corpo humano causando uma redução da resistência à insulina , provocando várias complicações de saúde como o diabetes, por exemplo. Para se diagnosticar a esteatose é necessário que o paciente faça exames de tomografia computadorizada ou exames de ultrassom. Vale ressaltar que não existe até o momento tratamento para o problema e os enfermos são orientados a tentar perder peso. A esteatose pode evoluir para uma complicação mais grave conhecida como esteopatite.

Problemas na Tireóide

Os especialistas relatam que outra complicação resultante da obesidade das pessoas são as anormalidades da glândula tireoide  que é bem comum em indivíduos portadores de síndrome metabólica. Normalmente as pessoas obesas costumam apresentar nódulos ou processos inflamatórios nessa glândula.

De acordo com especialistas brasileiros em endocrinologia é mais fácil  as pessoas com problema de obesidade apresentarem complicações na tireóide do que sofrerem um aumento de peso excessivo em razão de uma possível disfunção da glândula. A síndrome metabólica presente em virtude da resistência a insulina contribui para o aumento do hormônio que estimula a tireoide chamado TSH, resultando no surgimento dos nódulos e inflamações.

Relação entre Câncer e Obesidade

Vários estudos realizados em todas as partes do mundo confirma cada vez mais a relação entre obesidade e o aparecimento de células cancerosas. De acordo com institutos de saúde brasileiros o excesso de peso corporal nas pessoas costuma ser o segundo maior fator de risco para o aparecimento de câncer.

Segundo dados estatísticos levantados por organizações de saúde cerca de cinquenta e dois por centos dos tumores no esófago, trinta e cinco por cento do câncer de cólon e cerca de vinte e dois por cento do tumor de mama são decorrentes do problema da obesidade. Os especialistas alertam para esses dados levantados e ressaltam a importância do emagrecimento para prevenir os tumores, que segundo os cientistas já foi comprovado uma incidência maior de cânceres em pessoas obesas.

Por Salete Dias

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

A luta das escolas contra a obesidade

A obesidade trata-se hoje de uma doença que atinge todo o mundo. É comum encontrarmos pessoas de todas as idades que apresentam o problema, o desafio atual dos profissionais de saúde é buscar formas de combater essa doença. Muitas crianças são consideradas obesas e já apresentam problemas de saúde relacionados a obesidade como é o caso do diabetes, hipertensão e colesterol alto; essa obesidade encontrada em crianças se deve a diversos fatores entre eles pode-se destacar o sedentarismo e a alimentação hipercalórica.

A luta das escolas contra a obesidade

A escola é uma instituição que faz parte da vida da criança por um período de tempo considerável, além disso o lanche que é a refeição que antecede ou precede o almoço é realizada no ambiente escolar. Pensando nisso, algumas escolas resolveram adotar algumas medidas que possam combater a obesidade pelo menos no que diz respeito ao lanche de crianças e adolescentes. Dessa forma alguns alimentos como doces, salgados, refrigerantes, biscoitos recheados entre outros ficaram proibidos de serem trazidos para a escola, em contrapartida foi reforçado o consumo de sucos, frutas, biscoitos sem recheio, sanduíches naturais entre outros alimentos. Além dessas medidas, as escolas que entraram na luta contra a obesidade procuraram melhorar a qualidade dos alimentos e produtos disponíveis nas cantinas.

Claro que toda ação estimula uma reação, logo houveram os posicionamentos tanto de pais como também de alunos, a favor ou contra essas medidas. Sem dúvida a atitude das escolas reflete uma medida emergencial e rígida mediante o problema crescente da obesidade. No entanto, é muito simples para os pais que não concordam com essas medidas, simplesmente retirar o filho da escola e procurar outra onde não haja essas recomendações. A aceitação dessas medidas geralmente é mais positiva quando se trata de pais de alunos que estão obesos.

Como resolver esse problema?

As duas posições foram expostas acima, tanto a da escola que tenta de alguma forma intervir no controle da obesidade bem como a posição dos pais que não concordam com as medidas e retiram o filho da escola.

Vale ressaltar que o melhor seria que as escolas buscassem sempre a opinião dos pais no que diz respeito as condições impostas por ela. Outro aspecto importante é que proibir nem sempre é a solução. O que deve ser levado em consideração é que a criança ou adolescente obeso é um indivíduo doente, logo não é com medidas simples que isso será resolvido, claro que de alguma forma evitar o consumo de alimentos hipercalóricos e de baixo conteúdo nutricional já é um pequeno passo, no entanto o problema vai muito além do que se imagina.

O indivíduo não se torna obeso do dia para a noite, no entanto é preciso que haja uma reeducação alimentar para que o indivíduo aprenda a comer de uma forma saudável. Em vez de proibições, seria muito mais efetivo, já que se trata de uma doença, promover nas escolas, palestras e trabalhos que envolvessem os alunos no aprendizado da forma correta de se alimentar. Palestras, trabalhos, jogos educativos, gincanas, hortas nas escolas, competições e outras formas educativas e dinâmicas de envolver os alimentos que são considerados saudáveis, podem promover uma boa alimentação entre os alunos.

Com o passar do tempo os próprios alunos não se sentam à vontade para trazer esses tipos de alimentos que não saudáveis para a escola, uma vez que eles aprenderam como se alimentar de forma saudável e os benefícios que isso implica no seu aprendizado e na sua saúde. A promoção da educação alimentar nas escolas deve ser realizada por um nutricionista especialista no assunto e que tenha pleno conhecimento de como realizar essas atividades de uma forma efetiva.

Obesidade infanto-juvenil

O crescimento da obesidade infanto-juvenil sem dúvida foi o que motivou a luta das escolas contra a obesidade. No entanto, essa luta deve ter início em casa como o apoio dos pais. A verdade é que uma criança não deveria ter controle sobre as quantidades e os tipos de alimento que consomem já que os responsáveis pela sua alimentação são os pais. O que acontece é que muitas vezes os pais adquirem produtos alimentícios na intenção de agradar os filhos e acabam por prejudicá-los a longo prazo.

A obesidade é uma doença que acarreta diversos problemas, tanto no que se refere a saúde, como também problemas de ordem psicológica e social que afetam principalmente as crianças que estão na fase de transição para a adolescência. Para evitar o crescimento da obesidade infanto-juvenil é essencial o apoio da família e da escola que podem atuar em conjunto na promoção de uma vida saudável.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Mulheres e riscos da obesidade

Fator de Risco

Muito mais do que um simples problema de estética e beleza, a obesidade em mulheres jovens vem sendo a causa  do aumento do risco de óbitos em virtude de problemas cardíacos e até por câncer. De acordo com pesquisadores as mulheres que apresentam o problema da obesidade, mesmo não sendo tabagistas tem probabilidade de ser afetadas por essas doenças em maior grau se comparadas as jovens não obesas.

Um estudo científico realizado na Escócia que teve a duração de um período de vinte e oito anos, e analisou mais  de três mil e quinhentas mulheres na faixa etária entre quarenta e cinco anos e sessenta e quatro anos demonstrou que cerca de cinquenta por cento desse grupo veio a falecer de complicações cardíacas  e vasculares e vinte e sete por cento vieram a óbito, em virtude dessas pessoas serem portadoras de câncer. Os estudiosos constataram que o índice de mortes foi bem maior nas mulheres que sofriam de obesidade.

Outras Descobertas da Pesquisa

De acordo com os pesquisadores outros fatores como o econômico, por exemplo também foram analisados. Desse mesmo grupo analisado foi observado que houve um índice maior de óbito por complicações cardiovasculares em mulheres jovens e obesas de classes econômicas mais baixas. Em outro momento foi observado que as mulheres que nunca haviam fumado um cigarro sequer demonstraram uma maior propensão ao problema da obesidade do que as que apresentavam o vício do tabagismo.

Segundo os estudiosos esses dados que foram levantados durante a pesquisa sugere que nas décadas passadas os grandes índices de pessoas com o vício do cigarro pode ter encoberto o problema de obesidade em pessoas jovens do sexo feminino que nunca fumaram, do mesmo modo que  a redução das taxas de mulheres não fumantes pode ter contribuído para o aumento do número de casos de pessoas obesas. Os especialistas ressaltam que  o vicio do tabaco é um fator que leva mais pessoas a falecerem do que a própria obesidade, daí a necessidade dos indivíduos evitarem o tabagismo.

Preocupação Mundial com a Obesidade

De acordo com os profissionais da área de saúde o problema da obesidade já esta sendo encarado com uma epidemia mundial, pelas várias complicações de saúde que as pessoas obesas costumam apresentar. Os especialistas ressaltam que as doenças respiratórias e principalmente as enfermidades cardíacas são decorrentes normalmente do excesso de peso corporal, além de outras complicações de saúde como por exemplo anormalidades na glândula tireóide, alterações hepáticas e até mesmo casos de câncer.

Segundo especialistas em oncologia o problema da obesidade é responsável pelos tumores em pessoas não fumantes na proporção de vinte por cento nos Estados Unidos. De acordo com esses profissionais quanto mais obesa a pessoa for maior será o risco de contrair essas enfermidades. Vale ressaltar que nem todas as pessoas obesas apresentarão essas enfermidades. No entanto  o excesso de peso sempre traz algum prejuízo a saúde do sindivíduos de um modo geral.

Por Salete Dias

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Obesidade mórbida

A obesidade trata-se do intenso acúmulo de gordura no corpo. Hoje em dia este distúrbio é um problema de saúde bastante típico e apresenta uma grande capacidade para provocar outros distúrbios além da própria obesidade.

A obesidade mórbida representa um grande nível de obesidade Se uma pessoa possui o índice de massa corporal maior que 40 a obesidade é delineada como mórbida. E esse obesidade em excessivo nível forma várias desordens e problemas de saúde à pessoa, apontemos umas: diabetes mellitus tipo ll, hipertensão arterial, depressão, trombose e outros problemas de saúde.

Motivos da obesidade mórbida

São variadas as razões, todavia apontemos algumas das causas mais “corriqueiros” como problemas no hábito alimentar e deficiência de atividades físicas, além de ser desencadeada por razões psicológicas e genéticas.

Tratamento e prevenção

O tratamento mais ajustado para os obesos mórbidos trata-se de uma cirurgia, taxada cirurgia bariátrica. É valioso acautelar aqueles que desejam se submeter que esta operação deve conduzir-se por um especialista capacitado, apto e com experiência em tal tipo de operação, outra informação essencial é que a pessoa carece seguir todas as recomendações do médico antes e depois da operação.

Essa cirurgia envolve riscos como qualquer outra operação, entretanto não é um grande problema estender pela operação, e sim, ser obeso mórbido pois causa diversas outras doenças . O paciente deve ser bem acompanhado por um grupo de médicos para que cuidem muito de sua saúde, o acompanhem e a fim de que decidam em conjunto qual a melhor solução a ser selecionada para que a cirurgia seja feita com êxito.

A prevenção da obesidade mórbida deve principiar logo cedo, quando ainda na infância com o estímulo a exercícios físicos, e com certeza, excelentes hábitos alimentares.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

De quem é a culpa da obesidade?

Inicialmente, pensei em escrever um artigo sobre o que é a cirurgia bariátrica (ou cirurgia de redução gástrica) que se trata de uma abordagem por meio de intervenção cirúrgica para combater a obesidade. Bem, o fato é que quando comecei a escrever, “baixou” aquele espírito crítico que havia muito neste blog logo no início e decidi por mudar o texto a fim de falar também sobre a obesidade.

Assim, este artigo fala sobre o problema da obesidade (e o artigo sobre cirurgia bariátria, infelizmente, ficará para outro momento…).

O mundo está ficando gordo

Lembram-de que já falamos algum tempo atrás sobre a planificação do mundo? O autor Thomas Friedmann em “O Mundo é Plano” faz um excelente trabalho mostrando que o mundo está ficando cada vez mais plano, mas esquece de comentar uma outra coisa: o mundo está ficando cada vez mais gordo – e o Brasil no meio!

Pior, não estamos falando somente sobre engordar, estamos falando de obesidade, isto é, um sobrepeso elevado com consequências diretas à saúde da pessoa. Pessoas obesas são mais propensas a problemas de hipertensão arterial e outras doenças cardiovasculares, por exemplo.

A culpa disso? Outra vez vamos brandar: os fast foods? Que nada! Fast foods não são armas nucleares e não possuem vontade própria para obrigá-lo a comer (ao menos as pizzas que eu vi outro dia eram bem obedientes!). Nós estamos comendo os tais fast foods, nós não estamos praticando exercícios físicos, nós amamos o sedentarismo – carro, televisão, cinema, etc. – então nós somos responsáveis por tudo isso.

Outro dia, decidi checar algumas informações do Google Search e descobri que o número de pesquisas para assuntos ligados à nutrição tem caído. Bem, a cada ano a população aumenta X%, o normal seria que o volume de pesquisas aumentasse também em X% para demonstrar que o interesse ainda se mantém ou, em um quadro bem otimista, que agora eram X + Y%, ou seja, que o interesse aumentou. Não, a realidade é bem pessimista: as pessoas estão se interessando menos pelo assunto.

E para onde vamos?

Para cima da balança é que não é – ou a quebraremos fácil, fácil. Do jeito que as coisas vão, não podemos esperar que tudo melhore da noite para o dia, claro, mas o problema é que as coisas não estão melhorando!

Há muita informação sobre obesidade, problemas cardiovasculares, sedentarismo (e cirurgia bariátrica, que era para ser o tema deste artigo, mas acabou não sendo 🙂 ), etc. mas as pessoas não querem saber disso – ou melhor, procuram somente quando estão em casos bastante críticos de saúde.

Precisamos admitir uma coisa: nós somos os culpados, cada qual é responsável por sua saúde. E este não é um discurso demagógico, até porque não tenho experiência na área de política (onde podemos ver muitos discursos desse tipo).

Eu vou começar a me preocupar mais com a minha saúde, principalmente com minha massa (esse é o termo correto, e não peso, que na verdade refere-se a um tipo de força, mas deixa para lá). E você, amigo leitor, ainda possui dúvida de quem é a culpa da obesidade?

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Obesidade – riscos, causas e tratamento

O que é obesidade?

A obesidade é uma doença que se caracteriza pelo aumento da reserva de gordura no organismo. Hoje a obesidade, é considerada um problema de saúde pública no mundo, é uma doença de curso crônico que pode ser fatal e promove o surgimento de outras doenças.

O número de pessoas obesas no Brasil cresce diariamente, esse fato não é isolado, a obesidade aumenta em diversos países. Vários fatores podem levar o indivíduo a adquirir a obesidade, que vão desde a genética à hábitos alimentares e estilo de vida.O princípio do equilíbrio dos alimentos não é seguido pelos indivíduos obesos, eles consomem mais  calorias do que gastam em suas atividades diárias.

Sintomas da obesidade:

De forma geral os sintomas da obesidade resumem-se em um aumento constante do peso, em se tratando de uma doença crônica, o ganho de peso ocorre de forma gradativa e o indivíduo apresenta indisposição para realizar tarefas básicas do dia a dia, falta de ar, insônia, níveis elevados de açúcar e gordura no sangue.

Causas da obesidade:

  • Genética: Muitas vezes os hábitos alimentares profundamente estruturados pela família, contribui decisivamente para que o indivíduo não consiga reverter essa situação.
  • Transtornos alimentares: A compulsão alimentar pode resultar em obesidade.
  • Sedentarismo: O estilo de vida sedentário, contribui para que o indivíduo consuma mais calorias do que gasta durante o dia.
  • Medicamentos: Medicamentos como antialérgicos, anticonvulsionantes, anticoncepcionais e antidrepessivos podem contribuir de forma significativa para o ganho de peso.
  • Fisiologia individual: Cada indivíduo apresenta um metabolismo basal, ou seja, a forma com que o organismo queima as calorias  não é padrozinada. Pessoas que apresentam taxa metabólica baixa estão mais susceptíveis a ficarem obesas.

Como pode ser feito o diagnóstico da obesidade?

Através do cálculo do IMC, que é o índice de massa corporal, pode-se detectar a obesidade. Quando o valor do IMC é igual ou maior que 30 o indíviduo se encontra obeso. Calcule agora mesmo o seu IMC.

Prevenção da obesidade:

  • Hábitos alimentares saudáveis

Dê preferência aos vegetais: frutas, verduras e legumes

Evite frituras, utilize preparações cozidas em água ou vapor e grelhados

Evite refrigerantes, dê preferência aos sucos naturais

Mastigue muito bem os alimentos, alimente-se sem pressa

Evite o consumo excessivo de açúcares e sal

Prefira as carnes magras e sem gordura aparente

  • Pratique exercícios físicos

Tratamento da obesidade:

Além da mudança de hábitos alimentares e da prática de exercícios físicos, é essencial um acompanhamento de um médico ou nutricionista.

Riscos da obesidade:

Uma série de doenças podem surgir em consequência da obesidade:

Hipertensão arterial – o aumento da pressão arterial muitas vezes está associada a obesidade. Procure reduzir a quantidade de sal ingerida diariamente, a maioria das pessoas consomem mais sal do o corpo realmente precisa.

Diabetes – Caracteriza-se pela elevação das taxas de açúcar no sangue . Medidas como evitar o cigarro e os alimentos ricos em açúcares são importantes para o controle da diabetes.

Outras doenças como colesterol alto e arteriosclerose que pode levar ao surgimento de infarto no miocárdio, insuficiência cardíaca, angina no peito e derrame cebreal são muito comuns em indivíduos obesos.

Leia mais em: Os riscos da obesidade –  Parte 1

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Saiba mais sobre dietas para emagrecer

Tenha certeza de muitas pessoas neste mundo, quando começam a se interessar por perder peso, logo apresentam uma dúvida: será que as dietas para emagrecer realmente conseguem bons resultados? Esta não é uma pergunta com uma resposta fácil, exigindo assim que se explane um pouco sobre o assunto bem como sobre os principais fatos relacionados que vêm ocorrendo.

As dietas para emagrecer que as famosas adotam

A mídia requer bastante das celebridades, provocando-as para regularmente manterem um corpo bonito, magro e elegante. As celebridades, para aceitar as imposições da mídia com seu padrão de beldade, acabam efetuando dietas, até mesmo aquelas que conseguem ser prejudiciais a ela, para perder massa corpórea de forma mais ágil, e depois ainda indicam e noticiam de que maneira efetuaram, o que pode levar outras pessoas a fazerem o mesmo.

Agora vou apresentar diversos regimes equivocados expostos para o auditório: para promover um filme, por exemplo, uma atriz carecia reduzir peso, então pôs-se a comer papinha de criança abaixo de um ano durante sete dias e assim afirmou ter diminuído três quilogramas de seu peso.

Os profissionais da área não sugerem esta dieta, pois os nutrientes contidos no mingauzinho podem ser suficientes para um bebê mas não para um adulto. Logo o adulto terá carência de nutrientes. A papinha foi criada na intenção do bebê ir principiando a mastigar para efetuar a mudança da amamentação para alimentos mais sólidos . Já nos adultos, a coisa é bem diferente, sendo necessário o processo de mastigação para que tenham a sensação de saciedade.

Uma próxima famosa que podemos citar aqui certa vez anunciou que para perder massa corporal teve que consumir somente, durante um período, um refresco que apresenta um suco de pimenta vermelha, limão, água e xarope. Este tipo de dieta pode causar muitos consequências negativas à saúde do indivíduo. Regimes para emagrecer que são limitantes igual a esse, têm possibilidade de motivar um verdadeiro descontrole na condição metabólica do corpo, exigindo do corpo humano um grande trabalho para que os órgãos vitais, exemplo, pulmão, coração e cérebro fiquem se mantendo funcionais. E ainda após pode provocar aplestia ou anorexia nervosa devido a essas dietas alimentares.

Sugestões dos Nutricionistas

Vários se indagam o por quê de ser complexo perder peso com saúde. Profissionais especializados em Nutrição aconselham que a mais elevada inimiga do regime é a ansiedade.

Desta forma, a angústia provoca o indivíduo para que ingira mais quando está desse jeito, rompendo assim o regime. Outro conselho é quanto à força de ânimo.

Sem ela, o indivíduo não resiste a tentações e termina não emagrecendo como quer. Os profissionais falam que o indivíduo deve executar uma reeducação alimentar com multiplicidade de comidas para completar suas necessidades com a meta de conseguir um ótimo funcionamento do organismo do ser vivo. E completam que a pessoa deve perder massa corporal lentamente de jeito que seu corpo consiga melhor compreender a atual condição.

Se o sujeito diminui peso de imediato, tem capacidade de engordar mais veloz ainda quando pára!

Falhas cometidas nas dietas emagrecer

De acordo com aqueles que atuam na área de Nutrição, a maior parte do povo realiza dietas para minimizar massa corporal de forma incorreta, e aí acaba não reduzindo a massa corpórea que quer. Alguns tópicos:

Saltar as refeições ou consumir pouca alimentação – os profissionais falam que isto provoca prejuízos à condição metabólica da pessoa. O certo é alimentar-se a cada período de três horas com alimentos que apresentem pouco valor calórico. Exemplificando: frutas, legumes, verduras, carne sem lipídeos.

Cortar os carboidratos da dieta alimentar – os carboidratos são componentes nutritivos pertinentes para colaborar a queimar a gordura concentrada no seu corpo. Coma moderadamente os produtos comestíveis ricos em carboidratos, por exemplo o arroz, os cereais, o pão e a mandioca, tudo integrais, porém previna-se de consumir açúcares em excesso.

Os carboidratos ainda assistenciam a pessoa promover as atividades físicas e junto com uma dieta regular, a pessoa queima os lipídeos de forma mais veloz.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Obesidade e exercícios físicos

A obesidade é caracterizada pelo acúmulo de gordura a mais que o normal em nosso corpo. Vários países já sofrem com os efeitos desta doença, e como toda doença, ela também pode ser tratada e/ou evitada.

A relação entre obesidade e exercícios físicos é muito importante ao indivíduo. Todos sabem que a obesidade traz consigo uma série de complicações de saúde como por exemplo, hipertensão, doenças do coração, respiratórias, endócrinas, emocionais (como a depressão) e sociais. Por isso há necessidade da prática de exercícios físicos regularmente e também fazer uso de uma alimentação saudável.

Os benefícios do exercício físico na pravenção e tratamento da obesidade talvez sejam mais notáveis do que em outras doenças. Referindo-se ao visual, mas sim ao bem-estar, a manutenção ou recuperação da saúde.

A obesidade é uma porta de entrada para outras doenças como já foi abordado neste texto, logo acima, então para evitar que isso aconteça é necessário que aja um controle adequado no seu estilo de vida e, se for preciso, modificá-lo. E, não há mais tempo a perder, isso deve ser começado já, agora, hoje. Pois sua saúde não pode esperar!

Procure um médico para fazer um “check-up” e se não houver alguma restrição, inicie sua nova fase da vida o quanto antes. Assim verá o quão bom lhe fará a prática de exercícios físicos regularmente. Já pensou em como seria bom respirar melhor, ter uma circulação sanguínea em maior fluxo e atingindo todas as áreas do corpo, sentir-se aliviado dos estresses do dia-a-dia, ter uma musculatura mais ativa e que suportasse mais seus esforços físicos diariamente e até aqueles que, por ventura, viessem à aparecer? Sem contar nos vários outros benefícios que ainda podem ser oferecidos pela atividade física. Vejamos mais alguns abaixo:

  • Colesterol total é significativamente reduzido e, ainda há um aumento do colesterol HDL (“bom”);
  • Longevidade com aumento da qualidade de vida em geral;
  • Fortalecimento da estrutura óssea, minimizando os índices de osteopenia e até mesmo osteoporose, com isso, acarretando numa menor incidência de fratura nos óssos;
  • Melhor funcionamento do coração;
  • Uma diminuição da resistência à insulina pelo nosso organismo, favorecendo o controle do diabetes;
  • Controle da pressão arterial;
  • Fortalecimento também das articulações e ligamentos;
  • E o mais importante, o controle do peso corporal.

Saiba agora como anda o seu IMC (índice de massa corporea)!

  • IMC de 20 – 24,9 é normal;
  • IMC de 25 – 29,9 é sobrepeso;
  • IMC de 30 – 40 é obeso;
  • IMC acima de 40 é obesidade mórbida.

O cálculo é fácil, basta dividir seu peso por sua altura, em metros, ao quadrado. Daí é só analisar em qual categoria estar classificado e partir para o exercício físico orientado por um profissional de educação física.

Por Márcio Costa

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Medidas para redução da taxa de obesidade infantil

A epidemia da obesidade infantil tem deixado muitos pais e autoridades preocupados nos últimos anos, pois cada vez mais nossas crianças estão se tornando obesas. Embora a tecnologia tenha desempenhado uma parte nessa situação, os maus hábitos alimentares e a falta de exercício são os principais culpados da taxa de aumento da obesidade infantil.

Quanto mais crianças estão com excesso do peso, a propensão para que seus filhos sejam obesos aumenta, com os maus hábitos alimentares que passa de geração à geração seguinte. A única maneira do aumento da obesidade infantil ser interrompido é se aos pais observarem os hábitos alimentares bem como a prática de atividades físicas dos seus filhos, incluindo toda a família no processo, para que todos possam tornar-se saudáveis e que possam passar esse legado para as futuras gerações.

Medidas para redução da taxa de obesidade infantil

É fácil culpar os variados tipos de vídeo games, jogos de computador e entretenimento na internet como fonte do aumento da taxa de obesidade infantil, porque dessa forma ninguém precisa realmente assumir a responsabilidade de mudar e criar soluções. Estudos têm demonstrado que crianças que não são monitorados e tem permissão para jogar várias horas por dia e não são incentivadas a ir brincar fora de casa ou se envolver em atividades esportivas são as que se encontram em maior risco para a obesidade infantil.
Além disso, ficar dentro de casa o dia todo também coloca essas crianças em fácil acesso ao alimento de modo que comer se torna uma compulsão, que não atende as necessidades nutricionais da criança.

Não é culpa da tecnologia que estas crianças estejam sentadas por horas sem fazer exercícios; a culpa é dos responsáveis pela criança que não oferecem outros tipos de lazer que envolva a movimentação do corpo. A redução da taxa de obesidade infantil não significa que as crianças não possam desfrutar dessas atividades internas, entretanto, eles devem ser monitorados para que o exercício possa ser adquirido através de outras atividades ao ar livre ou esporte.

Os pais também devem fornecer um exemplo saudável para seus filhos dos bons hábitos alimentares e exercícios físicos, envolvendo seus filhos em seu exercício o mais rápido possível e também em atividades de planejamento familiar que sejam divertidas e proporcionem uma liberação de energia. Todas essas idéias podem ajudar a reduzir a taxa de obesidade infantil e criar hábitos saudáveis para a vida.

É importante lembrar que existem alguns casos de obesidade infantil, que são devidos a outros problemas de saúde, por isso é aconselhável consultar um médico quando parece haver um problema com o peso da criança. O médico pode então determinar se o problema é um desequilíbrio hormonal que afeta o metabolismo ou outro tipo de problema que possa causar obesidade.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS