Archive for Dicas de saúde

Causas prováveis da depressão

Muito mais do que simples estados melancólicos que acometem as pessoas em determinados períodos de suas vidas, a depressão é uma doença de caráter orgânico com sintomas também emocionais, e que deve ser tratada de um modo eficiente, pois em casos mais graves pode fazer com que o paciente corra risco de morte.

Causas prováveis da depressão

A depressão pode ser definida como uma doença de ordem psíquica com etiologia até o presente momento desconhecida, mas com uma variedade de hipóteses que tentam se afirmar com a verdadeira causa desencadeante da depressão. Segundo a grande maioria dos especialistas e pesquisadores da área de saúde mental, a depressão seria decorrente de um desequilíbrio químico das células nervosas que compõem o organismo dos seres humanos, e este processo seria o responsável pelas alterações de humor que o indivíduo com depressão costuma apresentar.

O que se sabe é que existem vários fatores na vida de uma pessoa propensa a apresentar um quadro clinico de depressão que podem desencadear a doença. Recentes estudos científicos estão tentando achar uma relação entre a influência genética e a depressão apresentada pela pessoa. Segundo esses cientistas, o aspecto genético seria de uma importância relevante para que os seres humanos desenvolvam a depressão. Esse fato explicaria porque indivíduos frentes as mesmas situações estressantes ou traumáticas se comportariam de maneira distinta um dos outros. Enquanto uns acabam ficando deprimidos, outros conseguem se recuperar rapidamente e retomar suas atividades diárias.

Principais sinais clínicos da depressão

De acordo com especialistas na área de psicologia e psiquiatria, os sintomas da depressão são bastante variados e se refletem tanto no físico quanto no campo mental do individuo deprimido. Para que haja um diagnóstico preciso é necessito verificar se a pessoa está tendo somente um estado melancólico em virtude de elegem trauma sofrido, ou então se apresenta os sintomas característicos da depressão. Dentre os principais sintomas orgânicos que sinalizam o problema da depressão estão: Fortes dores de cabeça, sensação de náuseas ou enjoos, dores generalizadas pelo corpo, constipação intestinal, alteração do batimento cardíaco.

Dentre os sintomas psíquicos mais frequentes podemos destacar: Dificuldade de concentração, perda de interesse por coisas que antes sentia prazer em fazer, sentimento de fracasso constante, humor deprimido, alterações no sono, com períodos de insônias ou então dormir em excesso, alterações no apetite, com o consumo exagerado de alimentos, ou então a perda total da vontade de comer, diminuição da libido, pensamentos melancólicos, de fracasso, dificuldades em tomar decisões devido a grande insegurança, e em casos mais graves pensamentos suicidas.

Depressão

Considerações finais

É importante ressaltar que a depressão é uma doença de caráter orgânico com sintomas principalmente psíquicos, que deve ser diagnosticada de maneira correta para que o paciente possa iniciar seu tratamento à base de medicamentos antidepressivos combinados com uma psicoterapia. O não tratamento adequado do quadro depressivo pode resultar no óbito do paciente por suicídio.

Por Salete Dias

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Quero emagrecer, o que faço?


Quantas pessoas você conhece que já manifestaram o desejo de perder alguns quilos e ainda não conseguiram? Muitas, não? Apesar da boa vontade – muitas vezes até com algumas ações positivas, como praticar exercícios e seguir uma dieta – , muitas vezes tal desejo não se concretiza por um problema muito simples: dar uma ênfase muito grande a uma determinada dieta para emagrecer, como se a mesma fosse o instrumento principal na perda de peso. Bem, pronto para encontrar as respostas para a sua pergunta: “quero emagrecer, o que faço“?

Seguir uma dieta é importante, desde que feito de forma adequada e compreendidos dois outros pontos importantes: a necessidade de abandonar uma vida sedentária e a importância da reeducação alimentar. Sem esses dois passos, seguir uma dieta com o objetivo de perder peso provavelmente não surtirá o efeito esperado, se houver algum.

Falemos então sobre exercícios físicos primeiros. Com a prática de exercícios, queimamos muito mais calorias, bem como levamos nosso organismo a queimar as reservas de gordura presentes em nosso corpo. Além disso, ao exercitar-se, melhoramos nossa circulação sanguínea, reduzindo assim os riscos de doenças cardiovasculares – tão comuns nos dias de hoje. Sendo assim, não importa se você praticará algum esporte, frequentará uma academia de ginástica ou realizará caminhadas em um parque próximo de casa: o importante é ter uma vida mais ativa.

Como segundo ponto, destacamos a importância da reeducação alimentar. Muitas pessoas cometem o erro de buscar perder peso sem mudar gradualmente seus hábitos alimentares. Consomem refrigerantes, hambúrgueres, salgados e doces em geral em um nível fora do saudável – muitas vezes substituindo refeições importantes como o café da manhã ou almoço por alimentos não tão saudáveis, como os destacados. Se você não mudar seus hábitos alimentares, é visível que, uma vez interrompida a sua dieta alimentar, você voltará a engordar tudo outra vez, afinal de contas, a razão para o aumento do peso (que pode ser de origem alimentar) não foi realmente corrigida.

Chegamos finalmente na dieta para emagrecer, comentada no início deste artigo. Como foi dito, um grande erro cometido por muitos é considerar esta como sendo a única coisa importante quando planejando perder peso, quando na verdade trata-se de mais uma ferramenta para auxiliar no processo. Quando escolhendo uma dieta, procure por aquelas que sejam fáceis de seguir e que o conduzam a bons hábitos alimentares. Dietas restritivas que exigem a exclusão de certos nutrientes não são interessantes, pois não desenvolvem hábitos alimentares realmente saudáveis. Procure, assim, uma que o conduza à verdadeira reeducação alimentar.

E acima de tudo, não se esqueça que um nutricionista é o profissional indicado para acompanhá-lo em seu processo de perda de peso. Só ele poderá ajudá-lo a determinar qual a melhor combinação desses elementos para a sua situação, bem como acompanhar o seu progresso periodicamente. Lembre-se disso!

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Receitas saudáveis

Nos dias atuais as pessoas de uma maneira geral estão sempre procurando se alimentar de maneira adequada e com alimentos balanceados. A alimentação saudável seja para perda de gordura corporal, ou para manutenção da saúde do organismo do individuo é essencial para aqueles que procuram uma melhor qualidade de vida. Diante dessa constatação as receitas saudáveis estão sendo cada vez mais utilizadas por aqueles que prezam por uma boa nutrição.

Uma das principais dúvidas da população interessada em consumir receitas saudáveis é se existem algumas delas que possam ser  servidas em festas temáticas, lanches,em aniversários ou quando estão no período de férias. De acordo com profissionais especializados na área de nutrição e nutrologia é possível oferecer receitas saudáveis aos amigos e convidados mesmo em situações festivas, bastando para  isso somente fazer a combinação certa dos alimentos e conseguindo manter o mesmo paladar das chamadas comidas de festas.

Receitas Saudáveis

Receita Saudável  para Lanches com os Amigos

Numa reunião com os amigos as pessoa sempre acabam comendo alguns alimentos calóricos em prol de outros mais saudáveis. Por isso uma sugestão prática de receita saudável  para receber nosso conhecidos é fazer um sanduíche , uma vez que os pães devem ser ingeridos se possível todos os dias pois são ricos em fibras quando são integrais, causando uma sensação de saciedade e portanto não tão calóricos quanto parecem e amido que é considerado um açúcar que é absorvido lentamente no organismo humano.

Se for adicionado ao pão integral alguma fonte de cálcio e proteínas, com ou ma fatia de queijo por exemplo, ou algum vegetal que seja rico em minerais fibras e vitaminas, então  apessoa terá uma refeição saudável e nutritiva. Para receber os amigos o lanche com o  sanduíche deve ser acompanha de preferencia de sucos de frutas de sumo natural do sabor preferido da pessoa. Vejamos agora como preparar uma receita saudável para receber os amigos informalmente:

Receita Saudável de Sanduíche de Espinafre: Para preparar esse saboroso sanduíche serão necessários oito fatias finas de pães integrais;dois dentes  de alho, e cebola , duas colheres de sopa de azeite,um queijo fresco médio ou requeijão e 800g de espinafres. A preparação é bem simples: Basta cozinhar os espinafres sonete com sal e agua e depois escorrer muito bem essa agua. Após o cozimento é recomendado reduzir o tamanho do espinafre com uma faca. À parte a pessoa deve aquecer junto com o alho e a cebola picados um pouco do azeite.

Na sequência os espinafres devem ser acrescentados e misturados ficando em fogo brando por cerca de  sete minutos e depois deixe a mistura esfriar. O queijo deve ser misturado ao espinafre até que deseja obtida uma mistura  homogênea. Com o molho pronto é só espalhar no pão e servir ao amigos.

Alimentação Equilibrada em Tempo de Férias

Quando as férias vão se aproximando  e as pessoas viajam para outros lugares  não tem jeito: Sempre acabam comendo mais do que deviam ou então consomem alimentos pouco saudáveis. Para evitar esses problemas que sempre acarretam um aumento de peso na volta das férias, algumas medidas podem e devem ser tomadas, como por exemplo a escolha da alimentação deve ser baseada em pratos nutritivos e equilibrados como por exemplo alimentos grelhados ou cozidos no vapor, acompanhados de uma deliciosa salada de verduras ou legumes. evitando-se comidas muito gordurosas e frituras de uma maneira geral. Na hora da sobremesa o ideal é evitar os açúcares e preferir os gelados de frutas, os iogurtes ou as frutas frescas que são mais saborosas e nutritivas.

Alimentação Saudável para Festas de Fim de Ano

Essa época do ano é talvez uma das mais difíceis para quem quer manter uma alimentação saudável, pela grande quantidade de alimentos gordurosos ou calóricos que são consumidos durante essas festas. No e entanto alguns cuidados podem ser tomados para evitar esses exageros na alimentação: As pessoas devem se alimentar de pequenas porções em intervalos para que seu organismo possa digerir melhor o que foi consumido.

Se for possível antecipar o horário da ceia para antes da meia-noite seria o ideal pois esse horário não é muito propicio para a alimentação, pois a maioria das pessoas costumam dormir depois dificultando o sono e a digestão da comida; Outra boa sugestão é tentar ingerir frutas e hortaliças que além de ser pouco calóricas ainda proporcionam a sensação de saciedade.

Os especialistas em nutrição recomendam às pessoas que comam um pouco de cada prato, mas  sempre com moderação tentando na medida do possível fazer receitas saudáveis não só para essa ocasião, como para todos os outros dias do ano.

Por Salete Dias

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Divórcio e separações conjugais

Quando um casal decide que não quer mais viver junto ele opta pelo divórcio ou pelas separações conjugais. Nesse texto veremos quais as principais diferenças entre um e outro modo, para que as pessoas que viveram juntas possam tomar suas decisões de maneira consciente e sem arrependimentos.

Princípio da separação conjugal

A separação conjugal é uma situação jurídica resultante de uma sentença que encerra a obrigação de um casal viver juntos. A separação de fato não tem valor legal e só é caracterizado pela ausência de vida em comum.

O julgamento de separação é pronunciado no mesmo caso e nas mesmas condições como a de divórcio.

Procedimento das separações conjugais

Os procedimentos para a separação são idênticos aos do divórcio, e se trata de: separação por mútuo consentimento, separação do pedido for aceite, separação por má conduta, separação por violação da vida comum. Nesses casos um advogado deve ser contratado.

Consequências da separação

  • Os cônjuges permanecem casados, mas não continuam a ter uma vida juntos;
  • A separação sempre acarreta a separação de bens;
  • Outras consequências e obrigações decorrentes do casamento permanecem, incluindo o dever de lealdade e obrigação de ajudar, podendo estar sujeito ao pagamento de pensão alimentícia ao cônjuge que dela necessite. Ela pode ser concedida pela decisão de separação condenatória, ou por um julgamento subsequente.

Cada cônjuge retém a utilização da denominação do outro, mas, a pedido de um deles a decisão que ordena a separação pode permiti-los retirar o nome.

Em caso de morte de um dos cônjuges separados judicialmente, o outro cônjuge detém os direitos concedidos pela lei de sucessão ao cônjuge sobrevivente.

Fim da separação conjugal

O fim da separação observa-se:

  • Ou pela retomada voluntária de coabitação: o requerente deve solicitar a um notário ou registrador;
  • Ou o casal opta por um divórcio: nesse caso a pessoa deve contatar um advogado, que vai apresentar o pedido para o tribunal superior.

Princípio e tipos de divórcio

Há quatro casos de divórcio. Alguns divórcios são do tipo contencioso (divórcio para a aceitação irremediável civil ou do princípio de ruptura). Por outro lado, o divórcio pode ser de mútuo consentimento.

Divórcio por mútuo consentimento é um divórcio consensual, no qual os cônjuges concordam com a dissolução do casamento e suas consequências. O divórcio é resolvido por acordo escrito pelos cônjuges e advogados.

Petição do divórcio

O pedido pode ser feito se os cônjuges concordarem com o divórcio e todos os seus efeitos (divisão da propriedade, o poder paternal, pensão alimentícia, indenização compensatória).

Um cônjuge pode pedir o divórcio, se um deles cometeu uma violação grave ou reiterada dos deveres e obrigações do casamento, tornando insuportável a convivência continuada.

Condições para o divórcio

O cônjuge que apresente para o divórcio é invocado por razões de falta, por exemplo: violência (insultos, abuso); adultério (embora o adultério não seja mais uma causa sistemática do divórcio). Esses fatos devem se provados perante o juiz. A prova obtida por meio de fraude ou de violência não são mantidas pelo juiz.

Durante a audiência, a menos que uma reconciliação, o juiz toma medidas provisórias necessárias para a vida do cônjuge e dos filhos enquanto durar o processo de divórcio.

Por Salete Dias

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Distimia – Estado crônico de depressão

A grande maioria das pessoas já ouviu falar em depressão ou estados depressivos. No entanto, a distimia que é uma enfermidade que altera o humor do indivíduo, assim como a depressão, ainda é pouco conhecida pela população em geral.

A distimia é na realidade um estado crônico de depressão, que se caracteriza como um sentimento de tristeza persistente por pelo menos dois anos e que dura a maior parte do dia da pessoa durante um longo período de tempo, trazendo muita infelicidade para o paciente.

Principais sintomas da distimia

A distimia além de se caracterizar por humor triste que o indivíduo sente por muito tempo, o paciente ainda pode sentir muita forme ou ao contrário, ter o seu apetite diminuído, ficar muito sonolento ou ter episódios de insônia, apresentar uma baixa autoestima sensação de muito cansaço e falta de motivação, pensamentos de que não tem capacidade para fazer nada, dificuldade em tomar decisões ou de concentração, além de ter sentimentos de desesperança na vida.

Esses sintomas podem aparecer juntos ou isolados em cada paciente.

Diferença entre distimia e depressão

A distimia ao contrário da depressão deixa o paciente que apresenta um ou mais sintomas ter sensação de que este é modo normal de ser, e que não há nada de errado com ele, caracterizando uma perda de autocrítica quanto à doença, que associada aos vários sintomas da enfermidade pode levar o paciente ao isolamento social, familiar, emocional e profissional.

É relativamente comum uma pessoa sofrer da depressão propriamente dita que já teve um episódio prévio de distimia, o qual geralmente os especialistas costumam chamar de depressão dupla.

A distimia pode ocorrer também, quando o individuo primeiro teve um episódio de depressão, no qual alguns sintomas tenham ficados remanescestes, isso caracteriza um quadro clínico residual de distimia.

Normalmente a distimia pode acometer o individuo ainda na infância, na adolescência ou no início da idade adulta, por isso seu diagnóstico às vezes é difícil de ser feito, pois as pessoas acreditam tratar-se apenas da personalidade do indivíduo e não de um distúrbio emocional.

Nas crianças, pode se expressar por um mau humor ou sensação de irritabilidade ou então por estados de apatia, nos quais a criança fica sempre quieta. Nos adolescentes a distimia normalmente está associada à irritabilidade e atitudes de rebeldia, adição a drogas ilícitas também pode ocorrer.

Tratamento da distimia

Como a distimia geralmente é uma enfermidade associada a outras de origem psicológica, o indivíduo dificilmente procurará ajuda para tratá-la.  O paciente vai ao consultório com queixas associadas à depressão, síndrome do pânico, vícios em drogas, entre outros. Desse modo os pacientes acabam tomando várias medicações para outras enfermidades, mas não especificamente para a distimia.

A distimia de uma maneira geral é tratada com medicamentos antidepressivos e atendimento psicoterápico. A psicoterapia é de extrema importância na terapêutica desses pacientes, e alguns profissionais optam por usarem como base a terapia analítica ou cognitivo-comportamental.

Dependendo do quadro clínico a terapia se entende também a família do paciente, para ajudar na recuperação do paciente e de sua família, uma vez que não é fácil lidar com um indivíduo com distimia, daí a necessidade do tratamento em conjunto.

Por Salete Dias

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Nutrição ideal para esportistas e maratonistas

A nutrição mais indicada para esportistas e maratonistas é aquela que leva em conta o antes, durante e após o exercício físico.

  • Antes – Deve-se ingerir uma boa quantidade de carboidratos;
  • Durante – Deve ser realizada a reposição de todos os nutrientes, para aumentar a reserva de glicogênio no fígado;
  • Depois – É necessária uma refeição rica em nutrientes, para repor o glicogênio perdido e reparar os músculos dos efeitos da maratona.

O atleta, esportista ou maratonista jamais deve esquecer de se hidratar em todas as etapas da maratona!

Os médicos não sabem explicar qual é o melhor meio para que o esportista tenha um maior desempenho nas provas, porém com o treino, esses resultados sempre vêm. Especialistas afirmam que é interessante que o atleta invista em uma corrida de baixa intensidade no início e vá fazendo uma boa reserva de líquido e glicogênio.

Alguns deles recomendam uma baixa ingestão de carboidratos antes da competição aliados a treinos intensos; essa ação é para que o corpo acumule glicogênio reserva; De dois a três dias antes da competição, é importante que o atleta aumente o consumo de carboidratos para que ele possa armazenar energia extra.

As recomendações médicas são essenciais para o bom rendimento do esportista durante a prova.

O tipo de alimentação mais indicada para os maratonistas é:

  • Antes – É necessário ingerir carboidratos como bolos, macarrão, arroz e batatas;
  • Durante – O atleta deve comer frutas e consumir bebidas de origem isotônica;
  • Depois – O maratonista deve ingerir proteínas de alta qualidade, carboidratos e líquidos.

Se a prova for realizada em um dia muito quente, o atleta vai precisar de mais esforço físico. Principalmente porque no tempo quente, o organismo se desidrata de forma mais rápida.

É importante que o atleta faça uma hidratação eficiente, ainda que esteja sem sede. A reposição de água e sais minerais em todas as fases do exercício físico é extremamente importante para um bom rendimento do competidor.

Estas recomendações são o alicerce para a dieta nutricional dos maratonistas.Tudo isso claro, com prescrição médica!

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Seguro odontológico

A busca intensa busca por seguros odontológicos nada mais são do que reflexo da ansiedade das pessoas por soluções interessantes e eficientes no combate a diversos problemas ou inconvenientes bucais aos quais estamos todos sujeitos.

Do simples clareamento à correção ortodôntica, há inúmeras situações em que podemos necessitar do auxílio de um profissional da área de odontologia e há inúmeros seguros e planos por aí – como escolher qual é o melhor para você?

A importância da saúde bucal

De forma geral, a saúde bucal demonstra-se importante pois não podemos considerarmo-nos completamente saudáveis se tivermos problemas em nossa boca. Como podemos viver bem com uma cárie a doer, um problema ortodôntico que pode mais tarde agravar-se ou simplesmente a necessidade de trazer um novo brilho ao nosso sorriso?

A saúde bucal é tão importante que há um profissional preparado especificamente para cuidar dela: o odontólogo, também conhecido como dentista.

Entretanto, o tratamento odontológico pode ser custoso, principalmente quando é requerido o acompanhamento profissional de forma prolongada – e é aqui onde encontramos grande importância nos seguros odontológicos.

O papel do seguro odontológico

Um seguro, como o próprio nome diz, busca trazer alguma segurança e conforto aos seus assegurados a respeito de algum assunto e, no caso do odontológico, não poderia ser outra coisa senão a saúde bucal como um todo.

Se você possui um bom plano odontológico, do simples tratamento de uma cárie à colocação de uma prótese dentária você deveria poder contar com o apoio de uma equipe especializada, entretanto tais planos são muitas vezes subutilizados, o que pode levar a insatisfações do cliente.

Alguns convênios permitem, inclusive, reembolso parcial de despesas com profissionais que não estejam associados à rede do plano – verifique se o plano odontológico que deseja oferece-lhe tal opção, evitando arrependimentos futuros.

Plano Odontológico Individual / Familiar

Se você deseja adquirir um plano odontológico por conta própria, deveria verificar as opções de plano individual (caso seja somente para você) ou familiar (caso deseje incluir marido, esposa ou filho(s) ).

Mas antes de aderir a um plano qualquer, verifique os benefícios oferecidos pelos mesmos, como:

  • Área de cobertura;
  • O que o plano oferece – consultas, urgência, odontopediatria, cirurgia, etc.
  • Carências;
  • Preços e condições para pagamento.

Plano Odontológico Empresarial

Se você possui uma empresa e quer oferecer aos seus funcionários (e talvez seus familiares) benefícios como um plano odontológico, você também precisa estar atento quanto aos diversos tipos de planos existentes no mercado, principalmente quanto à relação custo x benefício, não somente para você, mas também para os seus empregados.

Busque sempre um plano odontológico que seja perfeito para as suas necessidades como pequena, média ou grande empresa. Ah, e não se esqueça de analisar se é mais conveniente um plano com contratação compulsória ou por adesão.

Em resumo, há inúmeros fatores a se considerar no momento da escolha de um seguro odontológico e você não deveria escolher um ao acaso. Pesquise, informe-se – os seus dentes agradecem.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Dicas de como reduzir o sal na alimentação

Um dos hábitos frequentes dos brasileiros é manter o saleiro à mesa. O Brasil é um país que consome sal acima do recomendado, sabe-se que em grande parte isso se deve a cultura da população que acredita que para uma comida ser saborosa ela deve ter uma grande quantidade de sal. Entretanto diversos problemas de saúde podem ser gerados mediante esse consumo excessivo de sal, entre eles pode-se destacar a hipertensão arterial.

Dicas de como reduzir o sal na alimentação

  • Um grupo de alimentos que apresenta uma elevada quantidade de sódio são os embutidos e enlatados. Muitas pessoas não sabem, mas alimentos como salsichas, presuntos, salames e mortadelas apresentam uma grande quantidade de sódio e muitas vezes até de gordura. É comum encontrarmos principalmente em populações de baixa renda um elevado consumo desses alimentos, pois servem como uma opção de “carne” mais barata em um almoço. No entanto, é importante alertar a população do perigo de consumir esses alimentos com frequência.
  • Uma atitude muito eficaz na redução do consumo de sal pela população é retirar o saleiro da mesa. Isso porque, como já foi dito no início do artigo, os brasileiros tem mania de manter o saleiro à mesa e acrescentar mais sal à comida que já está temperada para consumo. Algumas pessoas acreditam que para sentir o sabor mais apurado da comida ela deve está bem salgada.
  • Outro ponto importante a ser destacado é que para temperar os alimentos, as pessoas costumam utilizar uma grande quantidade de sal. E esse sal em excesso se deve mais uma vez ao fato de que as pessoas associam comida bem temperada ao excesso de sal. Existem algumas alternativas que podem auxiliar na hora de temperar os alimentos e que utilizam sal em pequenas quantidades. Essas alternativas se referem a acrescentar outros tipos de temperos como coentro, salsa, pimenta do reino, cebola, orégano, alho entre outras  opções que conferem sabor aos alimentos e que não causam efeitos negativos à saúde.
  • Os alimentos industrializados, principalmente aqueles alimentos que são congelados prontos e que geralmente são vendidos em caixinhas contêm um elevado conteúdo de sódio. Com a correria atual, muitas pessoas optam por esse tipo de alimentação mais rápida, no entanto a longo prazo elas acabam por prejudicar sua saúde. Esses alimentos até podem ser consumidos de vez em quando, desde que esse consumo não vire hábito, não há problema em consumí-los.
  • A maioria dos queijos são alimentos que possuem um alto teor de sal, é importante procurar queijos que apresente um baixo conteúdo de sal.

Dentre todas essas dicas para reduzir o consumo de sal, é importante ficar atento principalmente aos rótulos dos alimentos, nele devemos constatar a quantidade de sódio presente no alimento e a partir desse valor selecionar os produtos que iremos adquirir.

Consumo de sal e sua relação com a hipertensão arterial

O sal está diretamente relacionado com o aumento da pressão arterial. A hipertensão é uma doença que a cada dia faz novas vítimas em todo mundo, ela é caracterizada pelo aumento da pressão que o coração exerce para bombear o sangue para todo o organismo.  Sem dúvida, o aparecimento da hipertensão arterial pode ser decorrente de diversos fatores sendo que o consumo excessivo de sal é um deles. Em populações onde o consumo de sal é considerado baixo, as taxas de indivíduos com pressão alta são baixas.

Alimentação saudável

Para evitar o alto consumo de sal, bem como de qualquer outro tipo de alimento é necessário uma alimentação balanceada e equilibrada. Quando o indivíduo apresenta uma dieta rica em frutas, verduras e legumes ele consegue evitar diversos tipos de doenças em que os excessos dos alimentos estão envolvidos. É importante lembrar que grande parte das doenças podem ser evitadas mediante uma alimetação saudável. Evitar o sedentarismo também é uma forma de combater diversos tipos de doenças, a prática de atividades físicas deve ser um hábito incorporado a vida das pessoas.

É importante ressaltar que mesmo o sal light, que é utilizado por algumas pessoas na tentativa de amenizar os efeitos do sal comum no organsimo, deve ser utilizado com moderação. O ideal é que o consumo de sal seja baixo para que o indivíduo consiga manter-se longe dos problemas causados por ele.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Como a Biotecnologia ajuda você

Bom dia.

Eu estou certo de que em algum momento você já ouviu falar nesse termo: biotecnologia. Mas será que nós sabemos do que realmente se trata a biotecnologia?

Bem, vamos analisar isto: Bio + tecnologia. Tecnologia, todos nós sabemos do que se trata; e bio (se é que alguém não sabe) trata-se de um radical que designa os organismos vivos. Bem, fazendo a fusão de ambos, podemos compreender como sendo o ramo da tecnologia que se utiliza de alguma forma de organismos vivos (ou de produtos dos mesmos) a fim de promover algum benefício para nós (já que este é o objetivo final dos estudos tecnológicos em geral).

Mas como é esse tal emprego de organismos vivos com a tecnologia? Pode fazer mal a mim ou a você?

Na verdade, você pode até ficar assustado com o termo ou com sua descrição, mas há muito você vem conseguindo bom proveito dela: a massa de pão, por exemplo, que precisa fermentar (um tipo de fungo entra em ação, digerindo o açúcar e produzindo dióxido de carbono e álcool, que faz a massa crescer e ganhar o gostinho de “pão”), ou a penicilina (um antibiótico muito importante, derivado de um fungo, o bolor do pão conhecido como Penicillium chrysogenum), são excelentes exemplos de como o uso da biotecnologia melhorou e muito nossas vidas.

E a aplicação é das mais extensas: pode-se apontar por exemplo, na indústria têxtil, o uso de bichos-da-seda na produção da seda, na área médica já são mais de 400 medicamentos biotecnológicos em testes (sem contar as outras centenas que já estão em uso) e na álimentação, então, podemos citar exemplos como o fermento do pão ou a preparação da cerveja. Não esquecendo também o uso dos atualmente tão polêmicos alimentos transgênicos (quer ver um pouco de nossa opinião sobre o assunto? Clique aqui!).

Apesar de muito antiga (estima-se que a primeira experiência nesse campo foi entre 4000 a 2000 a.C. quando os egípcios introduziram o processo de fermentação de pães e da cerveja por meio da levedura), somente em 1919 a palavra biotecnologia foi utilizada pela primeira vez pelo engenheiro húngaro Karl Ereky. De lá para cá muita coisa já foi feita e pesquisada nesse meio.

Mas os avanços mais consideráveis são, com certeza, na área médica, onde, além de medicamentos, temos também as vacinas, como produtos da biotecnologia.

E talvez seja na biotecnologia que encontremos a salvação para o nosso planeta: o processo de biorremediação, que se trata de utilizar organismos vivos na eliminação (por meio da degradação) do lixo tóxico. Nesse processo são criadas colônias de fungos, bactérias ou outros organismos capazes de digerir os poluentes, transformando-os em outras substâncias, geralmente inertes ou com menor impacto ambiental.

É incrível como uma área tão vasta e com tantos avanços benéficos somente são lembrados por temas que são muitas vezes mal compreendidos ou cujos estudos ainda não foram concluídos, como os alimentos transgênicos e a clonagem. Ah, e qual seria a nossa opinião sobre a clonagem? Não gostamos muito da idéia de atuar diretamente na escolha de todas as características de um ser humano, recriando-o por completo, mas é inegável que enquanto há avanços nesses estudos conseguimos subsídios em outras áreas, como o emprego de células-tronco para a regeneração de partes do corpo de pacientes.

Então o melhor a fazermos é sabermos empregar o que aprendemos com precaução e com a certeza de que é para o benefício de todos (inclusive do meio ambiente!). 😉

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Depressão – Causas, riscos e prevenção

Estava aqui, perdido, navegando, quando decidi que já estava na hora de escrever algo mais para quem quer ler um pouco mais, informar-se, no meu site.

Então escolhi falar sobre a depressão, ou transtorno depressivo maior, como também é conhecida, um problema de saúde de natureza inerentemente psicológica/psiquiátrica e que acomete grande parte da população – e pelo qual eu também já passei, durante a minha adolescência.

Imagem-referência à depressão

Este é um problema que não possui uma única razão ou causa. Os motivos podem ser vários, desde alguma disfunção alimentar (deficiência de vitamina B6, por exemplo) à submissão a stress intenso e rotineiro.

Este é um problema preocupante pois, segundo pesquisas da Associação Brasileira de Psiquiatria, sendo que de 3 a 11% da população saudável pode contrair o problema e, no caso de pessoas com algum tipo de doença física, a probabilidade aumenta para 22 a 33%, sendo que 80% das pessoas que já passaram por problemas de depressão podem voltar a contrair o problema!

Bem, diante de tantos números, fica claro que a depressão não se trata somente de “estar triste”. A depressão afeta profundamente o estado de humor da pessoa, levando facilmente a rápidas mudanças. Geralmente, quando sob pressão ou situações desconfortáveis, tais pessoas demonstram-se irritadas, tristes ou nervosas de forma mais exagerada do que uma pessoa normal se comportaria.

A depressão pode levar o indivíduo a isolar-se, abandonar atividades que antes considerava prazerosas, crises de insônia (ou mesmo dormir muito mais que o costume) ou de choro, pensamentos suicidas, perda do apetite, etc. Os sintomas são muitos e variam bastante, de pessoa para pessoa, bem como da causa da depressão.

Quando uma pessoa apresenta tais sintomas, o melhor a se fazer é tentar confortá-la, ouvi-la, buscar compreender seus problemas, mesmo que não pareçam graves – uma pessoa com depressão costuma ver os problemas em uma escala exagerada, então desdenhar do mesmo só piora a situação – e buscar indicar orientação médica.

Consultas a um psicólogo (ou a um psiquiatra) são sempre a melhor forma de iniciar-se o tratamento. Caso a crise não seja grave (como, por sorte, fora o meu caso), é possível resolvê-la por meio de várias sessões.

Se o caso não for tão simples, há a possibilidade de buscar socorro em tratamento por meio de medicamentos e tratamento por meio de estimulação de regiões cerebrais.

Dentre os tratamentos medicamentosos, podemos destacar o emprego de Inibidores Seletivos da Recaptação da Seotonina (ISRS), Tricíclicos e Tetracíclicos. Cada qual atua de uma forma diferente sobre um dos vários grupos de neurotransmissores que atuam em nosso organismo. Por exemplo, se for perceptível que há necessidade de inibição da serotonina no organismo, o mais indicado é o uso de algum ISRS.

No campo dos tratamentos não-medicamentosos (ou seja, que não prescrevem medicamentos), podemos destacar a eletroconvulsoterapia (ECT), a estimulação do nervo vago (VNS, da sigla em inglês) e a estimulação profunda do cérebro.

Infelizmente ainda não há excelentes meios para diagnosticar de forma rápida e eficiente qual o tipo de depressão a fim de saber qual a melhor forma de tratamento. Segundo a revista Galileu (edição de agosto de 2007), a medicina hoje ainda tenta descobrir para cada paciente por meio da “tentativa-e-erro”, isto é, um dos medicamentos é administrado (geralmente um ISRS inicialmente) e, se não der certo, passa para o próximo e, caso nenhum dos medicamentos surta efeito (não me lembro agora dos dados exatos, mas, se bem me lembro, cerca de 25% das pessoas demonstram resistência aos inibidores supracitados, sendo necessária, então, a aplicação de tratamento não-medicamentoso).

Uma vida saudável, sem stress ou onde tal situação seja facilmente gerenciável e uma boa alimentação são algumas das coisas que nós do Giga Mundo gostaríamos de indicar a quem possa ter se identificado com os sintomas daqui, principalmente se ainda não estiver em estágios avançados da depressão, pois quanto mais cedo tal problema for percebido e resolvido, mais eficazes são o tratamento e/ou métodos para prevenção.

E prevenir, como sempre, é melhor do que remediar.

Ah! E uma vida agradável e alegre ao lado das pessoa que se ama também é um ótimo meio de mostrar ao seu organismo que “está tudo bem e é você ainda quem está no controle”. 😉

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS